Política

PCP pugna pela valorização e segurança do Parque Urbano

O PCP de Ovar entende que as potencialidades do Parque Urbano não têm sido aproveitadas na sua totalidade. “De uma forma geral a afluência tem sido inferior à esperada, o que pode ter origem não apenas numa dinamização ainda insuficiente por parte da Câmara, mas também do estado de degradação de alguns equipamentos, da inexistência ou não funcionamento de outros, ou ainda de condições de segurança que importa garantir urgentemente”, aponta o partido, em comunicado.

Numa visita ao local, a delegação do PCP notou alguns problemas que gostaria de ver solucionados.

Falta protecção lateral nas pontes sobre as linhas de água paralelas ao Rio Cáster (ver foto), à semelhança do que acontece na ponte sobre o Rio, pois “estas linhas de água podem atingir caudais consideráveis nas épocas mais chuvosas, tornando-se a queda um perigo real para as crianças que frequentem o caminho”.

A Rua António José de Almeida surge “abruptamente e sem qualquer aviso prévio no caminho pedonal (a oriente) do parque, especialmente para os transeuntes que venham de Sul” e “faz falta uma passadeira na sequência do caminho, à semelhança do que acontece no caminho a poente, de preferência com algum método que garanta a redução de velocidade dos automóveis e/ou de passeios que garantam a circulação em segurança de peões”.

Ainda neste local, o troço da antiga Trav. dos Pelames, que segue por dentro do parque para norte, está, segundo o PCP, “aparentemente transformado em caminho pedonal”.

No entanto, não conta com qualquer sinalização impedindo o trânsito automóvel, “o que se torna confuso especialmente para os condutores que não conheçam a rede viária local, uma vez que a parte inicial deste troço tem uma largura convidativa à circulação automóvel”.

No que toca aos bebedouros, “seria positivo que tivessem água, uma vez que vários deles, se não todos, careciam deste líquido precioso”. Por outro lado, todas as placas informativas estão praticamente ilegíveis, conforme se pode ver nas fotografias.

Do ponto de vista ambiental, o PCP diz que o parque nasceu já com algumas deficiências, desde logo pela ausência de um corredor ecológico nas margens. Em diversos troços do rio não existe conectividade para a biodiversidade, quer longitudalmente (margens “forradas” a pedra), que transversalmente, nas represas, fazendo falta dispositivos de passagem para peixes nestes locais.

Por último, regista o avançado estado de degradação do edifício situado a sudeste do parque, atrás do cineteatro.

“O edifício está deficiente e incompletamente vedado, sendo evidente o risco que representa, bem como o poço anexo, que além de ter uma vedação muito baixa, conta com um afundamento na lateral que permite a passagem por baixo da vedação”.

Pelo risco iminente que representa, é bastante urgente a resolução deste problema nos termos do DL 310/2002 que determina ser “obrigatório o resguardo ou a cobertura eficaz de poços, fendas e outras irregularidades existentes em quaisquer terrenos e susceptíveis de originar quedas desastrosas a pessoas e animais.” Tudo isto não se coaduna muito com a “tradição dos Parques românticos propícios ao lazer e ao convívio”, nas palavras do anterior presidente da Câmara Municipal.

O PCP diz que “valoriza muito os espaços verdes” e tudo fará para que o parque urbano seja um equipamento apelativo cultural, desportiva e recreativamente, e não apenas “um lugar para onde apetece fugir”, mas importaria que, acima de tudo, não se torne um lugar de onde apeteça fugir.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta