Saúde

Peso na Mente! – Clínica Dr. Celso Oliveira

Um dos problemas que faz com que muitas pessoas nos procurem é o excesso de
peso. E, na verdade, é fácil compreendermos que há muito fatores a ter em conta quando
estamos perante essas pessoas (que se sentem infelizes e mal consigo próprias). Mas, todos
sabemos que há, basicamente, duas formas de engordar: uma é comer demais e a outra é
“gastar” mal ou não “gastar” aquilo que se come. No entanto, comer em demasia é muitas
vezes apenas um sintoma do verdadeiro problema que está por trás desta realidade: o Peso na
Mente, ou seja, a “Fome Emocional”.

Quando uma pessoa está ou se sente com excesso de peso, ela tem muitas vezes um
problema de autoimagem que pode ser e é frequentemente gerado pelos ditames da moda
(“magreza é beleza” ou “gordura não é formosura”) mas pode também resultar de
necessidades internas de que a própria pessoa não tem consciência. Precisamos mesmo de nos
interrogar sobre os motivos que levam essas pessoas a comer demais ou a “guardar”
inconscientemente no seu corpo a maior parte daquilo que comem, mesmo sabendo que isso
as leva a sentirem-se infelizes.

Será que elas, por exemplo, têm um desejo inconsciente de se tornarem pouco
atraentes para o sexo oposto tentando, por esse meio (inconscientemente), evitar o assédio ou
o estabelecimento de relações? Será que a comida excessiva pode ser (inconscientemente) um
substituto para o amor e carinho que falta na vida dessa pessoa? Ou talvez isso possa ser
apenas um hábito adquirido pela maneira como os pais a educaram, encorajando a comer tudo
o que se coloca no prato (“Come tudo, agora!” … “Pensa nas crianças que passam fome!” …
“A comida não se desperdiça!” …).

Para muitos de nós não é estranha a experiência de os nossos pais terem vivido
tempos de escassez e dificuldades alimentares. Situações que para muitos nem é fácil
imaginar. E essa mensagem, “Não desperdices, não estragues comida!”, foi passada através
das gerações, de pais para filhos. No entanto, a verdade é que há duas formas de
“desperdiçar” a comida: deitar fora os restos no lixo … ou despejar esses restos na nossa
cintura … transformando a cintura no nosso cesto de lixo.

Por isso, também só há duas formas de emagrecer: uma é “comer menos” e a outra é
“gastar mais e melhor o que se come. Mas comer menos não pode impedir que se coma o
necessário para o corpo ter energia e saúde. Um corpo a quem se “nega excessivamente a
comida” pode reagir como um povo que armazena alimentos quando prevê que eles vão faltar (por exemplo em situações de guerra, greve nos transportes, tragédias ou fenómenos naturais,
etc.), guardando e armazenando em forma de gordura ou peso excessivo a pouca comida que
se lhe dá.

Como podemos nós em psicoterapia, utilizando técnicas hipnóticas e outras
ferramentas de controle e treino mental, auxiliar a pessoa com peso excessivo a comer menos
e a gastar melhor o que come? Para “gastar melhor o que se come”, além da atividade e do
exercício físico, o corpo necessita de um metabolismo equilibrado. Para “comer menos”, o
corpo necessita de moderar e controlar aquilo que se ingere sem o fazer sentir carência
daquilo que efetivamente e obrigatoriamente necessita para estar saudável.

Com a psicoterapia, podemos ajudar a comer de forma equilibrada e saudável
alterando e/ou tornando automáticos os bons hábitos alimentares. Podemos mesmo, com
sugestões positivas e adequadas, automatizar a impossibilidade de comer de mais como se o
estômago tivesse uma “Banda Gástrica Virtual” reduzindo mentalmente o seu tamanho e
provocando rapidamente e com poucas quantidades de comida a sensação de saciedade.

Com a psicoterapia podemos ainda ajudar a gastar melhor o que se come sugerindo à
parte não consciente da pessoa (c/hipnose ou outras estratégias) a aderência ao exercício
físico com prazer, a regulação e equilíbrio do metabolismo alimentar, a escolha de alimentos
adequados para fácil digestão ou até mesmo a criação de hábitos de mastigação lenta e
prolongada, ingestão de água fora das refeições ou outras estratégias que se tornam
automáticas e que sem qualquer esforço fazem com que os alimentos ingeridos sejam
equilibradamente absorvidos pelo organismo e que os resíduos não aproveitados pelo corpo
sejam equilibradamente expulsos, pois são “lixo” que é inútil e prejudicial guardar.

Se no seu caso se sente infeliz ou está mal com o seu corpo e quer emagrecer
adequadamente, aprendendo a “deitar fora”, sem esforço, os quilos em excesso que o seu
corpo tem (como se fosse um “casaco de gordura” que esconde o corpo que você quer), nós
podemos ajudar! Para isso, poderá aproveitar a campanha que agora decidimos oferecer aos
nossos leitores!

Condições: 1a consulta (Consulta de Avaliação) grátis” + Programa de 6 consultas
apenas pelo preço de 4 consultas! Para mais informação por favor contacte-nos:

Clínica Dr. Celso Oliveira – Psicoterapia Integrativa com/sem Hipnose
Largo Serpa Pinto, 17/18
3880-137 Ovar
[email protected]
221123936 – 910753167

Dr. Celso Oliveira
Dra. Ana Rita Freitas

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo