Saúde

Presença na Internet do Hospital em posição cimeira de estudo académico

O Hospital Dr. Francisco Zagalo – Ovar (HFZ-Ovar) tem o quinto melhor desempenho nacional no que diz respeito aos serviços prestados com recurso ao seu website, de acordo com um estudo sobre a presença na Internet dos hospitais portugueses, publicado pela Unidade Operacional em Governação Eletrónica da Universidade das Nações Unidas (UNU-EGOV).

Em termos globais, o trabalho académico coloca o HFZ-Ovar no “bom caminho”, quando comparado com outros hospitais de maior dimensão, disponibilizando uma vasta quantidade de informação direcionada ao utente e relativa à gestão de procedimentos administrativos, nomeadamente formulários e manuais de procedimentos, e apresentando bons indicadores no que concerne aos critérios de acessibilidade do website.

A transformação digital que iniciámos, em 2017, com o lançamento projeto-piloto e estruturante ‘HOSP: Hospital de Ovar Sem Papel’ tem demonstrado que este é o caminho. A posição da nossa unidade neste importante estudo é mais uma evidência concreta”, afirma o presidente do Conselho Diretivo do HFZ-Ovar, Luís Miguel Ferreira, destacando, por exemplo, que o Hospital de Ovar “está no topo do contexto do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no indicador ‘Receitas sem Papel Totalmente Desmaterializadas’”. “A conquista do prémio Saúde Sustentável em 2019, repetida em 2020, é demonstrativo deste desígnio do Hospital de Ovar”, salienta.

Não temos dúvidas de que com o apoio da tecnologia, conseguimos, hoje em dia, agilizar o trabalho prestado e melhorar a perceção do utente sobre os serviços de saúde”, sublinha Luís Miguel Ferreira, que defende “há muito que a introdução da tecnologia neste setor serve como um apoio, tanto do ponto de vista administrativo como clínico”.

Para Delfina Soares, diretora da UNU-EGOV e coautora do estudo, “numa altura em que as tecnologias estão cada vez mais presentes na vida dos cidadãos, o atendimento e interação dos utentes com as instituições de saúde tem vindo a transformar-se, processando-se cada vez mais através de canais digitais”.

O estudo avalia os websites oficiais de 135 hospitais públicos e privados em Portugal de acordo com um conjunto de indicadores estruturados em quatro categorias – conteúdos, serviços, interação com a comunidade, e aspetos tecnológicos.

O relatório inclui ainda um conjunto de análises segmentadas por tipo de hospital (público/privado), região NUTS II, grandes regiões (litoral, interior e ilhas), bem como uma análise comparativa com a classificação obtida no SINAS – Sistema Nacional de Avaliação em Saúde.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta