Publicidade
ComunicadosPolítica

PS Ovar ficou mais preocupado após a reunião entre Executivo Municipal e Ministro da Saúde

Na sequência da reunião tida entre o Executivo Municipal e o Ministro da Saúde, foi emitido um comunicado pela Câmara Municipal e pelo Presidente da Câmara Municipal, com laivos de boa notícia, no qual se refere, que “independentemente do modelo de reorganização que vier a ser definido pela Direção Executiva do SNS, a referenciação hospitalar da população de Ovar se fará para Norte”.
Para o Partido Socialista de Ovar, no respeito pela vontade do Povo de Ovar e na certeza do modelo a implementar relativamente ao Hospital e aos Cuidados de Saúde Primários para o Concelho, não há outra decisão para além da integração na ULS Entre Douro e Vouga (Santa Maria da Feira), uma vez estarmos perante a inevitabilidade de pertencer a um sistema assente neste tipo de organização, entenda-se em ULS’s.
O que a Câmara Municipal de Ovar e o Senhor Presidente da Câmara vêm agora dizer é que, mesmo que nos integrem na ULS de Aveiro, a referenciação, nome que utilizam para substituir a “Liberdade de Escolha” dos Munícipes de Ovar, será a Norte.
Não pode, como tem defendido o PS Ovar e como demonstra o projeto de resolução entregue na Assembleia da República pelos Deputados Socialistas, existir nenhuma ambiguidade que admita uma referenciação contrária à ULS em que seremos integrados. Isto é um logro, que não permite aos Ovarenses saberem por quanto tempo poderão recorrer a cuidados de saúde onde legitimamente devem continuar a ser atendidos, acompanhados e tratados.
Estranhamos ainda mais que o Município de Ovar ainda vá ser consultado após uma reunião com o Ministro, que deveria ser a última e na qual a posição do Município não deveria deixar margem para dúvidas, dispensando qualquer auscultação futura, pois tal não seria sequer necessária.
A ambiguidade demonstrada, a falta de firmeza e clareza nas negociações que aqui ficam evidenciadas, contribuem para destruir o trabalho feito pelas forças políticas de Ovar e pelo movimento do seu Povo.
Tudo indicia, tal como sempre suspeitamos que à volta de uma mesa, que serve o interesse que os intervenientes sempre tiveram e que, desta forma, continuam a admitir como possível, que os destinos dos Ovarenses não estejam a ser defendidos com o vigor, convicção e firmeza que merecem.
É lamentável e não nos conformaremos com qualquer decisão distinta daquela que prevê a integração na ULS de Entre Douro e Vouga (Santa Maria da Feira), que assegure o futuro dos cuidados de Saúde do Povo Vareiro.
Não é hora de um “diálogo colaborante”, seja lá o que for que isso significa. É hora de agir, de lutar e de salvaguardar o acesso a um serviço de saúde de qualidade e assente na proximidade.
Pede-se muito mais aos eleitos Vareiros. Acima de tudo, devem estar ao lado dos que lutam por esta causa, ou seja, ao lado do Povo do Concelho de Ovar.
É nítido que este é um acordo para salvar a face dos que, desde o início, se esqueceram da sua Terra e do Povo que os elegeu.
Não nos deixaremos levar por golpes palacianos que ilibem os decisores Locais e Nacionais da responsabilidade pela decisão.
Para o PS Ovar a simples referenciação a Norte ou a “Liberdade de Escolha” dos utentes, não nos satisfaz. Queremos que tudo seja salvaguardado, desde o nosso Hospital Francisco Zagalo até à rede de Cuidados de Saúde Primários.
Pelo Secretariado do PS-Ovar,
Emanuel Oliveira

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo