CulturaPrimeira Vista

Quem nunca Quis Ser Outra Coisa que atire a primeira Pedra

Pedro Damião abre, hoje, no Museu Júlio Dinis, um ensaio da peça “Sempre Quis Ser Outra Coisa“, uma oportunidade para o público assistir e participar em mais um fruto da sua Residência Artística.
“O público está habituado a ver, a ouvir, a ler uma obra de arte já finalizada e muitas vezes descura a curiosidade do procedimento de ensaios, pesquisas, etc”, observa o actor e encenador. Esta é uma oportunidade excepcional para ver como é.

Depois, no próximo domingo, dia 20, às 21h30 horas, apresenta “Sempre Quis Ser Outra Coisa” no mesmo espaço, onde decorre a residência artística “As Palavras Estão Gastas. Porque Não Calarmo-nos de Vez?”.

Esta é uma residência artística que, segundo o actor e encenador, “tem várias particularidades que a distinguem de todas as outras”. Uma delas é “por ser uma residência com a componente teatro, mas como resultante da escrita”. A outra novidade é “a possibilidade que cria à comunidade de poder assistir e participar no processo criativo, seja em formações paralelas aos diferentes momentos, seja em ensaios abertos”.

O primeiro resultado visível deste “confinamento” foi “Pedras na Boca”, que contou com a participação especial de alguns alunos do curso de interpretação da Escola Profissional de Artes Performativas da Jobra e foi transmitido online a partir do Museu Júlio Dinis, no passado dia 18 de Maio. Seguiu-se “Eu Que Nunca Fui Autor de Nada, Troco a Minha Voz Pelo Teu Corpo”, o segundo momento, no centro de Arte de Ovar, que estreou no dia 10 Julho, às 22h, e foi o único a sair do Museu Júlio Dinis.

Este terceiro momento, no próximo dia 20 de setembro, conta com a participação do baterista João Martins e o quarto momento assumirá a forma de uma exposição (“Resquícios”) que conta com a participação do fotógrafo Daniel Mendonça e irá ficar patente até 31 de Outubro.

O primeiro resultado visível deste “confinamento” foi “Pedras na Boca”, que contou com a participação especial de alguns alunos do curso de interpretação da Escola Profissional de Artes Performativas da Jobra e foi transmitido online a partir do Museu Júlio Dinis, no passado dia 18 de Maio. Seguiu-se “Eu Que Nunca Fui Autor de Nada, Troco a Minha Voz Pelo Teu Corpo”, o segundo momento, no centro de Arte de Ovar, que estreou no dia 10 Julho, às 22h, e foi o único a sair do Museu Júlio Dinis.

Este terceiro momento, no próximo dia 20 de setembro, conta com a participação do baterista João Martins e o quarto momento assumirá a forma de uma exposição (“Resquícios”) que conta com a participação do fotógrafo Daniel Mendonça e irá ficar patente até 31 de Outubro.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo