EmpresasSlider

Quinta de Santiago lança chocolates Alvarinho

Em mais uma inovação empresarial, a produtora ovarense, Joana Santiago, harmoniza os seus alvarinhos com os chocolates de vinho “Quinta de Santiago Alvarinho 2013”, criados a partir de um processo artesanal pela Cacaodivine.

Muito focada na vertente criativa da sua actividade, além da colheita 2014 – A família Santiago lança assim os primeiros chocolates de vinho verde – alvarinho produzidos em Portugal, em parceria com o projecto “cacao di vino”. Chocolates artesanais, sem adição de conservantes ou aromatizantes, são compostos de 70% de cacau, chocolate e o seu Alvarinho Quinta de Santiago Reserva 2013.

Revela-se um equilíbrio e uma complementaridade perfeita entre o chocolate e o Alvarinho que a sua harmonização improvável surpreende mesmo os mais cépticos.

O rosto deste projeto familiar é jovem produtora Joana Santiago, cuja paixão pelos vinhos e energia para o trabalho lhe foram claramente legadas pela sua Avó, minhota de gema, conquistando bons mercados na exportação e um reconhecimento aquém e além fronteiras cada vez maior.

A Quinta de Santiago em Monção foi construída em 1899 e durante cerca de 70 anos teve como principal actividade a produção de vinhos, azeite, tremoço, cereais, fruta etc., para auto consumo e venda.

Propriedade da sua família, em 2009, da determinação e paixão por vinhos dos filhos e netos e da então proprietária, a Avó “Mariazinha”, nasceu o projeto Quinta de Santiago “boutique winery”.

Um projecto familiar, que as 3 gerações da família Santiago, abraçaram, associando a tradição e conhecimentos da geração mais antiga à modernidade e entusiasmo da geração mais jovem na criação de vinhos “Premium” que expressassem as caraterísticas do terroir e ao mesmo tempo refletissem a personalidade desta casta autóctone portuguesa fantástica que é o Alvarinho.

Apostam por essa razão numa pequena produção de Alvarinho como estado de espirito e ideia de negócio focada na qualidade. Uma filosofia que permite conhecer e controlar apaixonadamente todos os momentos da produção da uva e do vinho, cada videira, cada garrafa, garantindo um produto exclusivo e cuidadosamente criado.

O legado deixado por uma geração de viticultores era uma responsabilidade imensa que a equipa, de espirito irrequieto, que cresceu nas vinhas mas nunca vendeu vinho, abraçou com garra e determinação com os olhos postos no futuro. “Estamos aqui para ficar e queremos promover a autenticidade da sub-região de Monção e Melgaço com vinhos com caráter que se destaquem no mercado”.

Em 2012, lançaram a sua marca Quinta de Santiago, com uma edição especial “ segredo da avó”, em homenagem a Maria Esteves Santiago, a matriarca da família, que recentemente partira.

Da colheita de 2014, Joana Santiago faz um balanço muito positivo. Um sucesso que se mede nos gráficos de gestão mas que começa pela linha da felicidade. “É muito gratificante viver este projecto de uma forma dedicada e apaixonada e ter o retorno esperado do mercado”.

“Este ano quisemos celebrar o nosso percurso lançando a colheita no seu berço, em homenagem às nossas raízes, ao nosso terroir e à nossa sub-região que é única e reveste um património ambiental, humano e cultural inigualável na produção de vinhos brancos! Nada melhor do que faze-lo em casa”.

A adega, funcional e polivalente, com sala de provas sobre as vinhas e forte investimento em tecnologia foi o grande desafio de 2014 e “quisemos partilhá-lo,  abrindo portas a todos que nos quiseram visitar, por ocasião da Feira do Alvarinho”.

Os visitantes tiveram oportunidade de visitar a adega, provar os vinhos, passear nas vinhas, trocar experiências, e ouvir histórias secretas de carvalhos com tesouros escondidos, nascentes visitadas por sereias encantadas, caminhos tortuosos de calhaus rolados e ainda contemplar na bela capela de S João Batista uma exposição itinerante de múltiplas figuras de Cristo e da Pieta da autoria de Ricardo de Campos, jovem artista monçanense de reconhecimento nacional e internacional.

Dentro da sua estratégia direcionada na produção de vinhos autênticos, a Família Santiago contraria a prática comum de apresentação das colheitas no inicio do Ano, tendo escolhido este momento, já que os seus alvarinhos, actualmente cerca de 14.000 garrafas estagiam 9 meses antes de serem lançados.

“Temos que crescer rapidamente para obtermos a visibilidade que desejamos, mas sempre de uma forma serena”, elucida.

Sobre a região

A Quinta de Santiago localiza-se a noroeste de Portugal na Região Demarcada dos Vinhos Verdes, mais concretamente na sub-região de Monção e Melgaço.
Rica em recursos hidrográficos e protegida por um conjunto de colinas e vales que criam as condições de precipitação, temperatura e horas de sol necessárias à melhor maturação das uvas da casta Alvarinho, permitem que a sub-região apresente alvarinhos DOC de excelência e com qualidades únicas no mundo.

Sobre as vinhas

“O terroir desta nossa sub-região, é único no mundo e foi decisivo na aposta no Alvarinho. A associação de um micro-clima marcado pela proximidade do rio, uma excelente exposição, a particularidade do nosso solo franco argiloso com calhau rolado e a existência de água natural para a rega foram fundamentais na decisão de avançar com o projecto na Quinta de Santiago já que a natureza nos presenteou com o melhor e nos permitiu a produção de vinhos tão singulares, elegantes e complexos como os nossos ”.

Os actuais 6,5ha de vinha da Quinta de Santiago e de onde exclusivamente provém as suas uvas, foram plantados entre os anos de 2005 e 2013, em áreas claramente definidas. Os seus terrenos, franco argilosos com seixo rolado, tem uma exposição de nascente sul e situam-se numa encosta suave (2- 5%), a uma altitude de 50-100m.

Foto: Jorge Marçoa

Artigos relacionados

Deixe uma resposta