Saúde

Redução do consumo do papel no Hospital de Ovar poupou 191 árvores

A redução em 45% do consumo de papel no Hospital Dr. Francisco Zagalo-Ovar (HFZ-Ovar), no âmbito do processo de transformação digital em curso, evitou o corte de 191 árvores, entre 2017 e 2022.

O período em causa corresponde, precisamente, ao desenvolvimento do “HOSP: Hospital de Ovar sem Papel”, lançado em outubro de 2017. Trata-se de um projeto contínuo de desmaterialização de registos e processos na unidade hospitalar, dado como exemplo a seguir pelas entidades que tutelam o setor da saúde em Portugal.

“Em menos de seis anos, com o projeto HOSP, foram consumidas menos quase 1,5 milhões de folhas de papel. O impacto deste projeto nas questões ambientais e na qualidade dos registos e processos internos é, sem dúvida, muito significativo e revelador da nossa preocupação com a sustentabilidade e com o ambiente”, explica o presidente do Conselho Diretivo do HFZ-Ovar, Luís Miguel Ferreira.

Considerando que “a transformação digital tem sido uma das apostas, enquadradas num espírito permanente de inovação e de melhoria constante”, o responsável sublinha o pioneirismo do processo de desmaterialização e a reengenharia de processos levada a cabo que exigiu, em diversas situações, “a introdução e a adequação de ferramentas tecnológicas e sistemas de informação, bem como a adoção de novas formas de trabalhar”.

Um resultado concreto decorrente deste projeto, é a chegada do HFZ-Ovar ao topo do contexto do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no que diz respeito ao indicador “Receitas sem Papel Totalmente Desmaterializadas”. Em 2022, 78,6% das receitas prescritas foram totalmente desmaterializadas. A título informativo, em todo o SNS, no dia 16 de janeiro de 2023, apenas 29,6% das receitas prescritas foram totalmente desmaterializadas, sendo que na região Centro o valor ficou nos 23,9%.

“Estes resultados só são possíveis graças ao comprometimento e esforço dos nossos profissionais com os objetivos traçados, que os leva muitas vezes a adotarem novas formas de realização de determinadas tarefas e à utilização de ferramentas e equipamentos informáticos mais modernos e inovadores”, acrescenta Luís Miguel Ferreira.

O projeto HOSP: Hospital de Ovar Sem Papel – recorde-se – venceu em 2019, a categoria “Cuidados Hospitalares” do prestigiado Prémio Saúde Sustentável, uma iniciativa do Jornal de Negócios e da farmacêutica Sanofi Portugal orientada para a divulgação e incentivo de boas práticas da sustentabilidade da saúde em Portugal.

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo