Publicidade
ComunidadesPrimeira VistaSaúde

Ronald DePinho mais perto do “elixir da juventude”

Nova perspectiva para o desenvolvimento de tratamentos destinados a combater doenças crónicas relacionadas à idade

A pesquisa focou a subunidade conhecida como transcriptase reversa da telomerase (TERT), cujos níveis diminuem naturalmente com o avanço da idade.

publicidade

Restaurar esses níveis para um estado mais jovem utilizando um composto de pequena molécula demonstrou reduzir significativamente a senescência celular e a inflamação tecidual.

Além disso, o tratamento estimulou a neurogénese, melhorou a memória, e aprimorou a função neuromuscular, incluindo aumento da força e coordenação.

O estudo identificou um composto, denominado ativador de TERT (TAC), que não apenas restaura os níveis fisiológicos de TERT, mas também influencia a expressão de genes ligados a processos como aprendizagem, memória, e regulação da inflamação.

Essa abordagem não se limita apenas à extensão dos telomeros, estruturas cromossómicas que encurtam com o envelhecimento, mas também atua como fator de transcrição, afetando múltiplos aspectos do envelhecimento celular.

“A reativação terapêutica do TERT nos permitiu reprogramar a expressão de genes associados ao envelhecimento, resultando em melhorias significativas na cognição, desempenho muscular, e redução de marcas de doenças relacionadas à idade”, explicou Ronald DePinho, professor de Biologia do Cancro e autor do estudo. 

O TAC mostrou eficácia em modelos equivalentes a adultos com mais de 75 anos, promovendo a formação de novos neurónios no hipocampo, melhoria no desempenho cognitivo, e redução da inflamação em amostras de sangue e tecidos.

Adicionalmente, o tratamento com TAC reverteu a sarcopenia, caracterizada pela perda de massa e força muscular associada ao envelhecimento.

Embora promissor, os pesquisadores enfatizam a necessidade de mais estudos clínicos para avaliar a segurança e eficácia a longo prazo do TAC.

No entanto, esses resultados oferecem uma nova perspectiva para o desenvolvimento de tratamentos destinados a combater doenças crónicas relacionadas à idade, como Alzheimer, Parkinson, doenças cardíacas e cancro.

Esta descoberta não apenas lança luz sobre os mecanismos moleculares subjacentes ao envelhecimento, mas também sugere novos caminhos para intervenções terapêuticas que possam potencialmente transformar a saúde e qualidade de vida de populações idosas no futuro.

O professor e investigador Ronald de Pinho é filho de portugueses de Ovar, emigrados nos Estados Unidos.

Ronald já quase só vem a Portugal por razões profissionais. “Ia a Ovar ocasionalmente”, mas quando a mãe adoeceu, deixou de vir. Cresceu lá fora e por isso tem dificuldades em falar português.

Fala com enorme admiração do pai, Álvaro de Pinho, ovarense que correu atrás do sonho americano, após anos no Brasil.

 

Publicidade
Botão Voltar ao Topo