CulturaSlider

Rosa Pereira expõe “momentos” sem títulos

Até dia 27 de dezembro a Sala dos Fundadores no Museu de Ovar acolhe a exposição de pintura “Momentos”, da artista natural da cidade do Porto, Rosa Pereira.

Uma pintora representada em várias colecções quer a nível nacional e internacional, que inclui no conjunto de obras inauguradas no sábado o quadro que esteve patente na exposição sobre a queda do Muro de Berlim, realizada na capital Alemã, em que representa na tela o Muro de Berlim a negro e um homem de costas viradas e meio inclinado, representando o declínio, em que é questionado o porquê da guerra e do Muro, quando novos “muros” se erguem pelo mundo.

Nesta obra recorre também ao vermelho para transmitir “dor”, ainda que para si, “o vermelho é uma cor de força e muito positiva, mas neste quadro especial representa um pouco isso, representa o ser humano a pensar nas atrocidades que nós seres humanos fazemos ainda hoje no mundo”.

As pinturas de Rosa Pereira, segundo a própria, “são momentos do meu trabalho, de alguns anos” e como defeniu, referindo-se aos últimos três anos de actividade, são, “muito abstractos, essencialmente híper-abstractos, embora também inclua o hiper-realismo, não nestes trabalhos expostos em Ovar, mas noutros que tenho feito”.

A dinâmica das obras muito coloridas e muito fortes que sobressaem nesta mostra, resultam como assumiu a pintora, do facto de ser, “uma pessoa muito dinâmica e extremamente selvagem”, acrescentando, “é o que tento transmitir nos meus trabalhos, alegria e dar alguma vida à vida das pessoas”.

Uma particularidade destes “momentos” reside ainda na apresentação de todos os quadros, sem título, uma opção desta artista com a formação, do Curso de História de Arte Moderna e Contemporânea (Porto) e experiencias formativas no Canadá e Estados Unidos, que gosta de explicar às pessoas o que representam para si as suas obras expostas.
Depois de ter concluído, que colocar os títulos leva as pessoas, “ a não olhar atentamente. (…) Nós estamos habituados a ter tudo muito simplificado e este tipo de trabalho abstracto a pessoas que se interessam questionam, e é isso que é a minha intenção é as pessoas questionarem-se e questionarem-me a mim também”.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta