CulturaPrimeira Vista

Sérgio Praia de regresso com a peça “É Impossível Viver”

A estreia da peça “É Impossível Viver”, uma adaptação de Ana Luena de um conto nunca editado de Franz Kafka e interpretado pelos actores João Lagarto e o vareiro Sérgio Praia estreia esta quinta-feira, no teatro Rivali, no Porto, de onde segue para o centro de Arte de Ovar.

À margem de um ensaio de imprensa aberto à comunicação social, esta segunda-feira, a encenadora Ana Luena referiu que o espetáculo, tal como o conto que lhe serve de base, não tinha “uma narrativa linear” mas acabava “por tocar em diversos temas que têm a ver com o indivíduo e com questões de identidade”.

Além dos conflitos individuais com que as personagens se deparam, a peça reflete igualmente sobre temas que têm a ver com “a humanidade, a guerra e com questões que ainda hoje acontecem”, tudo isto numa “paisagem onde impera a ausência de moral”, como explicou a encenadora, que apresenta o seu primeiro espetáculo desde que dissolveu a companhia Teatro Bruto.

Relativamente a este novo desafio, Ana Luena garante que é “completamente diferente” de trabalhar com uma companhia teatral e que esta encenação acaba por ser o resultado de “um encontro entre 3 pessoas, com papéis diferentes”.

“Eu e o Sérgio [Praia] fomos colegas há muitos anos. Sempre fui acompanhando o trabalho dele e ele o meu. Soube através dele que, ele e o João [Lagarto], tinham o desejo de fazer um projeto através de um texto de Kafka”, confidenciou a encenadora, que recordou já ter trabalhado Kafka em espetáculos anteriores.

Luena assegurou que Kafka sempre foi um autor que a interessou e revelou que o referido conto de escritor checo nunca foi editado e que tem várias versões, escritas em maços de folhas.

“Esse caráter fragmentado e de transformação de um material que não estava fechado também me suscitou algum interesse para fazer a adaptação”, garantiu.

O espetáculo conta com música original de Peixe (ex-Ornatos Violeta), com fotografia de Virgílio Ferreira e desenho de luz de Rui Monteiro.

A peça vai estar em cena no Rivoli entre quinta-feira e domingo, seguindo depois para o Centro de Arte de Ovar, onde sobe ao palco a 26 de setembro.

Em novembro, entre 19 e 29, vai estar em exibição no Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa, e a 09 de janeiro de 2016 chega ao Cine-Teatro Avenida, em Castelo Branco.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo