CulturaPrimeira Vista

“Tenho crianças que, no meio dos espectáculos de rua, chamam pelo meu nome”

Divertido, surpreendente, às vezes, polémico, Cristiano Fidalgo é o mais recente personagem de “raiz vareira” do não menos vareiro, Bruno Gama. Na maior parte das vezes, sem se fazer anunciar, agitou o último verão vareiro. Fomos ao encontro dos dois.

Onde e quando nasceu o Cristiano Fidalgo (CF)?
Nasceu da necessidade de fazer mais um personagem para uma animação de praia, um personagem emigrante para dar destaque ao típico português que volta ao seu país para umas férias, ao Furadouro. Já tem uns anitos.

O Bruno Gama (BG) precisava de um alter-ego como o CF?
O Bruno Gama já há alguns anos que pretende apenas mostrar o que de melhor gosta de fazer: Fazer rir, criar uma vertente de paródia, como um amigo no qual se deposita total confiança, como extensão do seu próprio eu… Um alter-ego na realização e paixão dos personagens com linguagem teatral.

O CF é mais um Menino da Lágrima ou um herói vareiro?
É um Menino da Lágrima porque tem raiz tipicamente vareira, alma portuguesa, apenas isso. Só se trabalha na reflexão actual, em Ovar, com estas formas de arte de representar, com os personagens podemos fazer rir com lágrimas. Só isso.

Em que se inspirou BG para criar o CF?
No típico imigrante português que usa umas roupas descontinuadas e com cores vivas e excesso de adereços, a voz aumentada porque é importante mostrar que estou de férias. O respeito que tenho pelo povo que luta fora do seu país.

O CF é então um personagem de comédia?
Sim, prefiro chamar paródia, rir e usar do humor por vezes absurdo mas pensado, e sempre com comida e bebida.

É a forma do BG mostrar o seu protesto político, como aquele que vimos no 25 de abril?
Não se tratou de um protesto politico. Um artista trabalha com e para todos. Apenas se tratou de mais um tema, assim como sucedeu com o Zé Callé (outro personagem), que pode fazer mais uma paródia nas cerimónias, já que as imagens ajudam a dar visibilidade ao meu Canal no Youtube (Menino da Lágrima Ovar). Julgo que ainda serão muitos os momentos que vamos registar.

O CF pode chegar a presidente de uma autarquia, por exemplo?
Não é essa a intenção. Politica só com muito amadurecimento, não é para já. Aí teria de entrar o Bruno Gama identificando-se com alguma ideologia e não o Menino da Lágrima nem os Personagens da Paródia.

O BG tem noção que pode ser um personagem polémico?
Sim, tenho, mas é uma polémica artística com identidade cívica e de consciência. Mas tenho muitos seguidores mesmo atentos. Muitos outros artistas já o fizeram e tiveram sucesso e aqui porque é que não posso ter?

Há mais pessoas que gostam ou que não gostam de BG?
Para já, tenho muita gente que me conhece e que vai rindo e os que se manifestam até são os meus conhecidos, que pedem para continuar e perguntam o porquê de não ter mais apoios. Afinal também elevo o nome de Ovar… Tenho crianças que, no meio dos espectáculos de rua, chamam pelo meu nome. Porque será?

Como foi a participação no Festival de Circo no Furadouro?
Foi a minha primeira participação no Festival Circool. Tive que adaptar o personagem aos números de Circo de Clown e preparei especificamente números com total interacção de crianças e adultos, e fui muito bem recebido e com um acolhimento de artista. Tal como se estivesse a representar fora da terra. Vi muito turista e muitas pessoas que não me conhecem a ficarem até ao fim, vi risos, participação envolvimento. Um agradecimento à União de Freguesias de Ovar, aos voluntários e em especial ao Dr. Nuno Pinto.

O que mudava em Ovar, se pudesse?
Depende, falta o Bairrismo Vareiro… Depois, temos coisas que mais vale estar quieto, no que respeita a uma identidade. Estou a criar estes personagens apenas para alertar as consciências com paródia e mostrar que em cada um de nós, e com a ajuda de todos, a mudança também faz bem. Mudava algumas ruas na minha cidade que ainda são em paralelo, fechava o transito em determinadas ruas para o comercio não morrer e fazia mais cultura à nossa escala. O Carnaval está mal aproveitado (aliás, só é aproveitado para alguns), porque não é aldeia que vem dar destaque a uma tradição que se perde ao longo dos anos. Carnaval não é só Samba, mas como não posso puxar a brasa à minha Sardinha… a polémica é só porque já não temos condições para trabalhar e ter tantos foliões e visitantes. Olha a Noite Mágica…Tirava da rua e dos cafés os jovens que se querem mostrar, são oportunidades que ficam nas gavetas, não têm onde se mostrar. Educar públicos é das coisas mais difíceis de se fazer, mas sozinho não se muda a minha cidade, temos que unir forças, livres de preconceitos e de tacanhez. Sei que é uma preocupação dos nossos governantes fazer mudar a cidade, são eles que têm esse dever porque foram eleitos pelo povo. Mas por vezes deveriam fazer auscultações do povo, não entrarem em quezílias.

Onde é que vamos voltar a ver o CF?
Para já, o Cristiano não tem nada marcado até porque é Fidalgo, trabalha numa época quente do ano, mas os outros personagens estão em acção. Em breve, entra o Américo Sprinter em cena… Mas se surgir um convite, ele regressa de França.

Fotos: Rádio AVFM

 

 

 

 

 

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo