EmpresasSlider

Tovartex despede funcionários e pode deslocalizar-se

A Tovartex/Falke, de Ovar, está a proceder a um despedimento colectivo que pode envolver mais de 170 funcionários.

Segundo alguns colaboradores da empresa, a produção deverá vir a ser deslocada para a Sérvia, um país com mão de obra mais barata e para onde já partiu grande parte das máquinas.

Helena Martins, assessora da direcção da Tovartex/Falke, confirma “a redução de pessoal”, mas não confirma nem desmente o número de funcionários envolvidos nem a informação de que estará a preparar-se para encerrar e deslocar a produção para outro país.

A Tovartex/Falke, empresa multinacional alemã do sector têxtil, instalada em Ovar há cerca de 30 anos, assenta a sua actividade produtiva na confecção de meias para homem, senhora e criança.

Esta empresa, que já empregou cerca de 700 trabalhadoras,  tem vindo nestes anos mais recentes, de forma progressiva, a extinguir centenas de postos de trabalho.

Câmara reage

A Câmara Municipal de Ovar tomou conhecimento do despedimento colectivo de 176 trabalhadores da Tovartex.

No âmbito do acompanhamento permanente e de proximidade que disponibiliza/realiza às empresas do concelho, a autarquia foi, muito recentemente, informada pela Administração da empresa, em Portugal, desta possibilidade, tendo a sociedade assegurado, desde logo, que será cumprida a legislação em vigor, nomeadamente, em matéria de direitos do trabalho e indemnizações compensatórias aos trabalhadores visados.

“Tratando-se de uma empresa privada, 100% de capital estrangeiro, com um modelo de produção assente na subcontratação de mão-de-obra, com um baixo valor acrescentado, estaria sempre à mercê da procura de um custo de produção mais baixo e, neste caso, de deslocalização/transferência para um país do leste da Europa, não podendo a Câmara Municipal intervir/alterar esta decisão, como bem se compreende”, explica o  O vice-presidente da Câmara Municipal de Ovar, Domingos Silva.

No entanto, a autarquia, dentro do seu campo de acção, salienta, “no respeito das competências atribuídas à administração local, apesar de nada poder fazer quanto à decisão de deslocalização de grande parte da produção desta unidade fabril, reiterou a sua disponibilidade total, junto da administração da empresa, para o estudo de quadro de benefícios que permitissem a sua continuidade no nosso concelho”.

Face a esta informação sobre o despedimento coletivo, a Câmara Municipal de Ovar informa todos os trabalhadores que já iniciou articulação com o IEFP – Instituto de Emprego e Formação Profissional, a fim de serem garantidos e disponibilizados todos os mecanismos legais existentes, não só no âmbito da proteção no desemprego, mas, sobretudo, nas ações que conduzam a uma rápida reintegração dos trabalhadores no mercado de trabalho.

De referir ainda que, recentemente, foi aprovada uma candidatura do Município de Ovar para a constituição de um Gabinete de Inserção Profissional em Ovar, que estará em funcionamento muito em breve, com o objetivo de apoiar os jovens e os adultos desempregados na definição e concretização do seu percurso de inserção ou reinserção no mercado de trabalho.

Por fim, “cumpre-nos ainda informar que, no âmbito estritamente municipal, os trabalhadores agora despedidos poderão contactar os Serviços de Ação Social da autarquia, para apresentar candidatura aos diferentes apoios de âmbito social, disponibilizados pela Câmara Municipal e pela Rede Social do concelho, dirigindo-se à Divisão de Ação Social e Saúde na Rua Heliodoro Salgado, n.º 16, 3880-232 Ovar, através do telefone 256 581 387 ou fax 256 586 611, ou ainda através do endereço de correio eletrónico: [email protected]”, conclui o autarca. (actualizado às 20:50)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta