Covid-19LocalSlider
Últimas

Trabalhadores de Ovar têm segunda prestação do cerco em risco

Os trabalhadores de Ovar correm o sério risco de não receber este mês a respectiva compensação da Segurança Social referente ao segundo período do cerco sanitário do concelho vareiro, que decorreu entre 2 e 17 de abril.

Segundo conseguimos apurar, até ao momento, foram apenas processados os pagamentos dos trabalhadores de Ovar que exercem a sua actividade fora do concelho. O mesmo, todavia, não se verifica com os trabalhadores que residem e trabalham no concelho, que continuam sem receber um cêntimo, apesar da boa instrução do processo por parte das empresas. Aliás, algumas destas já assumem junto dos colaboradores que a Segurança Social só pagará entre 2 e 16 de Abril

No caso dos pagamentos já efectuados há quem aponte irregularidades, como pagamentos aquém dos anunciados 100 por cento. A maioria queixa-se que recebeu só 65% e outros dizem que o montante recebido apresenta um “incompreensível” desconto dos dias 1, 2 e 17 de Abril.

Sucede que se o processamento destas compensações relativas ao segundo período do cordão sanitário de Ovar não for regularizado até ao próximo fim de semana, só poderá vir a ser pago em 16 de junho.

Recorde-se que no passado dia 8 de maio, o presidente da Câmara Municipal de Ovar informou que o Ministério do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social iria, “na realidade, pagar a todos os trabalhadores de Ovar e de fora de Ovar, trabalhando no nosso Município, integralmente, durante toda a vigência da cerca sanitária, do dia 18 de Março ao dia 17 de Abril, inclusive, nos termos da lei, 100% da sua remuneração de referência líquida”.

Na prática, no entanto, não é isso que se está a verificar e o aparente “braço-de-ferro” entre a Segurança Social e a Câmara de Ovar continua.

Governo volta a garantir

Na sequência do nosso alerta, a Câmara Municipal voltou esta sexta-feira ao assunto para confirmar que “a Segurança Social não está a cumprir as orientações do Governo e da Ministra da Solidariedade”.
O presidente Salvador Malheiro terá falado com o Secretário de Estado da Segurança Social que lhe garantiu que, “provavelmente, ainda durante o dia de hoje, o assunto seria cabalmente esclarecido e resolvido favoravelmente”.

Actualizado às 19 horas de 15 de Maio de 2020

Artigos relacionados

Deixe uma resposta