CulturaPrimeira Vista

Turismo: Município segue tendência da região Centro

Os números são oficiais. Só em em visitas guiadas, o Município de Ovar ultrapassou as 2.600 visitas guiadas em 2017. Seguindo as tendências da Região Centro de Portugal, Ovar também apresenta crescimento estatístico quando comparado com anos anteriores. Mais: No último ano foram criados mais 34 alojamentos locais, tendo-se registado mais de 70.000 dormidas em 2016, segundo os últimos números disponíveis.

Estes são valores que estão em sintonia com o que se passa no Centro, em que 31% dos alojamentos do universo em estudo, destacam-se os distritos de Leiria (com o peso que advém de Fátima, com 40%), de Aveiro com (21%) e de Coimbra (16%) e predominam os apartamentos (46%) face às moradias (34%). Quase metade dos imóveis (47%) estavam desocupados, 25% das unidades possuem 4 ou mais quartos, adequados a família e grupos e muitas disponibilizam terraço e jardim. O “Booking” volta a ser essencial para a geração de reservas, congregando quase 32% das mesmas, mas o Centro é a única região em que as marcações directas ultrapassam as plataformas. De referir que quase metade dos inquiridos (49%) prevê realizar melhoramentos nas habitações e 23% acredita que os vizinhos são indiferentes ao AL.

No que se refere à procura, os portugueses são a nacionalidade mais presente, seguidos dos ingleses, brasileiros e alemães. Os hóspedes do Centro valorizam mais o clima (55%), a gastronomia (49%) e a simpatia/hospitalidade (44%). A taxa de ocupação no Centro tem vindo a crescer significativamente nos últimos anos: aumentou cerca de 36% (passou de 29,5% para 40,4%) em cinco anos.

A actividade turística no Centro de Portugal iniciou o ano de 2018 como tinha terminado 2017: a crescer de forma clara e superior à média nacional. Os números publicados hoje pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, relativos a janeiro, mostram uma subida significativa da procura turística da região, contrastando com uma ligeira desaceleração da procura global do país.

O INE indica que, em janeiro de 2018, o total de dormidas na região cresceu 7,84%, em comparação com janeiro de 2017. Um dado relevante é que Portugal, na globalidade, registou uma ligeira desaceleração no crescimento, uma vez que, no mesmo período, as dormidas aumentaram 5,10%, menos que entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, em que tinham subido 12,71%. No Centro de Portugal, o cenário é inverso: os 7,84% de crescimento da região superam os 6,79% de incremento entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017 – o que são sinais muito promissores para o que será o ano de 2018.

No total, contabilizaram-se 228.770 dormidas em janeiro no Centro de Portugal, mais 16,6 mil do que no mesmo mês do ano anterior, que tinha registado 212.132 dormidas. Em janeiro de 2016, verificaram-se 198.627 dormidas.

As dormidas por parte dos visitantes estrangeiros continuam a ser o indicador mais positivo e o principal impulsionador do crescimento turístico no Centro de Portugal. Entre janeiro de 2017 e janeiro de 2018, as dormidas de estrangeiros aumentaram 16,46%, para 79.608 (tinham sido 68.354 em janeiro de 2017). Comparativamente, o crescimento nas dormidas de estrangeiros a nível nacional foi de 4,30%. Ou seja, as dormidas de estrangeiros cresceram quatro vezes mais no Centro de Portugal do que na globalidade do país.

Por outro lado, a procura do Centro de Portugal pelos visitantes nacionais também continua a crescer, embora de forma menos impressiva. Em janeiro de 2018, registaram-se na região 149.162 dormidas de visitantes nacionais, mais 3,74% que em janeiro de 2017.

O Centro de Portugal regista igualmente números muito promissores nos restantes indicadores registados pelo INE. É o caso do total de hóspedes, que entre os dois meses de janeiro subiu 4,85%, para 150.747, ou na taxa de ocupação, que subiu 1,30%.

A nível das receitas, em janeiro de 2018, registou-se um forte crescimento nos proveitos totais da actividade turística no Centro de Portugal, em comparação com o mesmo mês de 2017: os proveitos subiram 15,44% e ultrapassaram os 12,8 milhões de euros.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo