CulturaPrimeira Vista

“Uma Vida Sublime” explicado aos espectadores

Novo evento com concerto dos Moonshiners

[themoneytizer id=”16574-1″]

O filme português mais premiado de sempre, “Uma Vida Sublime”, estreou, na passada sexta-feira, no Cinema Dolce Vida, na presença do realizador Luís Diogo, do actor Rui Oliveira e de António Costa Valente, presidente do Cine Clube de Avanca, que produziu o filme, conjuntamente com a Filmógrafo.

Para além de dissipar pequenas dúvidas que o filme suscitou no público, o realizador recordou que, “em Portugal, tal como nos países ocidentais, dizer-se que não há dinheiro, não é desculpa para não se fazerem coisas, pois, felizmente, somos livres de as fazer”. O realizador, que trabalha também como professor de educação visual, desvendou ainda que o filme se inspirou numa notícia de um médico real mas que depois adaptou para o argumento.

A este propósito, Costa Valente referiu que já lera história proposta por Luís Diogo há cerca de 6 anos, mas só agora “se fechou o círculo para a sua concretização”. Recordou que a longa metragem (de ficção) foi em parte “rodada no Festival Internacional de Cinema AVANCA 2016, integrando o projecto Creative Film Workshops”.

“Uma Vida Sublime” é um inesperado “thriller” onde um médico, o Dr. Ivan, usa métodos extremos para conseguir que pessoas infelizes voltem a ter uma vida tão sublime quanto a sua. Luís Diogo referiu também que considera ter uma vida sublime, “pois faço o que gosto”.

Para o actor Rui Oliveira, o filme tem muita importância, “porque nos faz voltar a ligar às pequenas coisas da vida”.

O filme que em março último foi distinguido no Fantasporto 2018 com o Prémio de Melhor Actor, foi igualmente exibido no Avanca em julho passado, tendo uma fulgurante passagem pelo circuito internacional de festivais de cinema.

Protagonizado pelos actores Eric da Silva, Susie Filipe, Rui Oliveira e Paulo Calatré, para este filme chegaram prémios para os actores, realizador, argumentista, director de fotografia e vários prémios como Melhor Filme de competições na Albânia, Austrália, Espanha, Equador, EUA, Índia, Itália, Rússia, São Tomé, Tailândia e Portugal.

Este é o segundo filme de longa metragem que Luís Diogo realiza, depois de “Pecado Fatal” e três curtas metragens. Sendo o autor dos argumentos de todos os seus filmes, é também argumentista de filmes como “A Bomba” de Leonel Vieira e “Gelo” de Luís e Gonçalo Galvão Teles.

Para além de Avanca, o filme foi igualmente rodado em Castelo Branco, Paços de Ferreira, Porto e Santo Tirso.

O filme está em exibição do Cinema Dolce Vita de Ovar e contará com outro evento na forma de um concerto dos Moonshiners, banda que integra a actriz Susie Filipe.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo