Terça-feira , 19 Setembro 2017
Ler também:
Dia Internacional de Consciencialização para a Esclerose Tuberosa

Dia Internacional de Consciencialização para a Esclerose Tuberosa

Assinala-se esta segunda-feira, o Dia Internacional de Consciencialização para a Esclerose Tuberosa  (ET), uma doença genética resultante de mutações do ADN que podem envolver dois genes (TSC1 e TSC2). As manifestações clínicas são muito variáveis, mas podem atingir qualquer órgão ou sistema. Os achados mais comuns são a ocorrência de tumores benignos na pele, cérebro, rins, pulmões e coração que condicionam a função dos órgãos atingidos. Os estudos recentes estimam que existam cerca de 1600 doentes com esclerose tuberosa em Portugal. É uma doença genética autossómica dominante, com expressão clínica variável, mas com penetração completa que pode ser causada por mutações num dos dois genes: TSC1 e TSC2.

Doença autossómica dominante significa, em termos práticos, que o risco de um doente com ET ter um filho com a mesma doença é de 50%. Penetração completa significa que sempre que um doente apresenta uma mutação num dos genes (TSC1 ou TSC2) irá apresentar sinais e sintomas da doença, apesar de estes poderem ser muito diversos (expressão clínica variável).

No caso da ET, cerca de dois terços dos casos resultam de mutações “de novo”, isto é, em cerca de dois terços dos doentes não existe ET em nenhum dos progenitores. Como resulta óbvio, em cerca de um terço dos doentes com ET um dos progenitores apresenta a doença.

Nos casos em que são encontradas mutações, 24% são mutações do gene do gene TSC1 e 66% do gene TSC2.

Em regra, os casos mais graves de ET (risco acrescido de deficiência intelectual, de autismo e de linfangioleiomiomatose) são causados por mutações no gene TSC2.

O diagnóstico de esclerose tuberosa pode ser definitivo ou possível e ser realizado segundo critérios genéticos ou clínicos. É suficiente para o diagnóstico definitivo a identificações de mutações patogénicas num dos genes conhecidos TSC1(Tuberous Sclerosis Complex 1) e TSC2 (Tuberous Sclerosis Complex 2). Deve, contudo, salientar-se que em cerca de 10 a 25% dos casos que cumprem critérios clínicos de diagnóstico não são identificadas mutações quando são usados métodos de investigação convencionais. O diagnóstico definitivo pode ser também estabelecido quando um doente apresenta 2 critérios major ou 1 major e 2 minor, reservando-se a designação de diagnóstico possível quando o doente apresenta apenas 1 critério major e 2 ou mais critérios minor. Na criança, uma das manifestações mais frequentes são os espasmos infantis.

Cerca de 80% dos doentes com ET tem epilepsia e 50% dos doentes apresentam atraso de desenvolvimento ou deficiência intelectual. Entre as principais causas de morte estão o estado de mal epilético e a pneumonia de aspiração, que resultam, em cerca de 33% dos casos, de deficiência mental profunda. Um terço das crianças com esta patologia apresentam dificuldades de aprendizagem, uma situação que está, claramente, relacionada com a ocorrência de espasmos infantis ou de um mau controlo de crises epilépticas.

A doença renal associada a ET é a segunda causa de morte prematura (27,5%) logo a seguir à deficiência intelectual profunda.

É uma doença que necessita de uma abordagem multidisciplinar a ser realizada em unidades com casuística adequada à aquisição de competências no diagnóstico, tratamento e aconselhamento genético. É neste contexto que deve equacionada a realização de tratamentos promissores e específicos para a ET hoje já disponíveis, mas cuja aplicação deve estar sujeita a intervenção médica especializada e com experiência adequada.

A esclerose tuberosa ainda é uma doença, claramente, subdiagnosticada em Portugal e no mundo e é cada vez mais importante disponibilizar informação sobre esta doença junto da comunidade médica e da população.

Miguel Leão
Neuropediatria e Geneticista do Centro Hospitalar de São João

Deixe uma resposta