Quinta-feira , 14 Dezembro 2017
Ler também:
INE confirma crescimento turístico do Centro de Portugal

INE confirma crescimento turístico do Centro de Portugal

O Centro de Portugal foi a região do país que, entre 2013 e 2016, registou o maior crescimento no número de dormidas em estabelecimentos de Turismo no Espaço Rural e Turismo de Habitação: mais 39,1%.

Este é um dos dados mais relevantes para a Região Centro constantes na 5.ª edição do Retrato Territorial de Portugal, publicação bienal do Instituto Nacional de Estatística (INE), ontem divulgado. A diferenciação nos estabelecimentos turísticos é, aliás, uma aposta decisiva da região, como se depreende de outro indicador. Foi no Centro de Portugal que, no período em análise (2013-2016), mais aumentou a proporção dos estabelecimentos de Turismo no Espaço Rural e Turismo de Habitação, com uma progressão de 12%.

Merece destaque o facto de o Interior Centro ser dos territórios menos afectados pela sazonalidade. Ou seja, é onde se verifica menos concentração da procura entre julho e setembro, sendo mais constante durante todo o ano. “Os municípios em que o efeito de sazonalidade nos meses de julho a setembro era menos intenso (valores abaixo de um terço do total de dormidas no ano) situavam-se maioritariamente no território do Interior da Região Centro, nas áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa e também na Região Autónoma da Madeira”, lê-se no documento.

Outro número que merece destaque é o do crescimento no número de estabelecimentos de alojamento turístico. “No Continente, a Área Metropolitana de Lisboa (13,5%) e o Centro (11,9%) registavam as taxas de crescimento médio anual mais elevadas”, escreve o INE. De referir ainda que o Centro é um exemplo no que diz respeito ao aumento de oferta em zonas menos povoadas: “Em 2016, em algumas sub-regiões do Centro (Beira Baixa, Beiras e Serra da Estrela, Oeste), bem como no Baixo Alentejo, no Alentejo Central e na Região de Leiria, mais de 80% da superfície licenciada destinada ao turismo localizava-se em solo rústico”.

Da mesma forma, o Centro destaca-se por ser a região em que os municípios mais apostam na reabilitação de edifícios destinados ao turismo, em vez de construir de raiz: em 21 municípios do Centro, segundo o INE, o total das obras destinadas a fins turísticos correspondeu exclusivamente a obras de reabilitação. “Estes são indicadores que comprovam a diversidade da oferta do Centro de Portugal, que se destaca por ter uma oferta menos massificada e menos concentrada do que outras regiões.

Os resultados desta estratégia estão à vista de todos, com o crescimento da procura na região a bater todos os recordes”, considera Pedro Machado, presidente do Turismo do Centro. O facto de o Centro estar menos sujeito à sazonalidade é um dos trunfos destacados por Pedro Machado: “Quem procura o Centro, não vem atrás do sol e praia, que também tem. Vem pelas experiências, pelo turismo ativo e de natureza, pelo turismo de património, pelo turismo religioso. Todos estes são produtos que podem ser usufruídos ao longo de todo o ano”.

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias – sem esquecer a gastronomia e os vinhos de eleição.

Deixe uma resposta