Opinião

Mais uma promessa, só promessa? – Florindo Pinto

De intenções, para mais intenções tomar conhecimento, e no que respeita à feitura de grandes obras, tem andado Esmoriz a ser embalado e a viver ao longo dos tempos.

A condição de “explorado” e vítima do domínio “colonizador”, exercido pela autarquia vareira, não lhe permite “caminhar” pelos seus pés, executar o que pensa, e de fazer aquilo que por cá falta, e que continuará a faltar, enquanto a libertação não chegar.

É sabido, e por muitos reconhecido, o quanto a indústria de tanoaria representa para esta terra de Barrinhotos.

O sonho de se ter entre muros um museu, que seja o testemunho e represente um passado, que por cá, nos dias de hoje, ainda se vive, é a “companhia” de uns tantos Esmorizenses.

Em tempo de campanha eleitoral, a promessa de implantação desse “bem”, foi feita. Realizadas as eleições, a promessa passou a constar de um rol de prioridades e, como vem sendo hábito, será uma “prioridade”, mas sem data, nem tempo, para a sua execução e deixar de o ser.

Por enquanto, a assinalar a “tanoaria”, temos o monumento no centro da cidade, e o estaleiro de barris, em cimento, na praia.
O lembrar, o pedir e o exigir para, e por, Esmoriz, devido a razões de certa afinidade, na Voz, perdeu-se a voz.

Falou-se, e fala-se, na aquisição e recuperação de uma das muitas oficinas, agora a degradar-se, em ritmo acelerado. A ideia é simpática, talvez interessante e com a lógica da ligação à profissão. Mas, com que custos? Elevados, ou elevadíssimos, por certo. Essa realidade será o argumento para não mais se fazer – a obra é de custo elevado e não temos dinheiro -, é o que vamos ouvir e o que será dito pelos edis vareiros.

Argumentam para não fazer e não dizem quanto de Esmoriz recebem em dinheiro, e que aos seus cofres, ido de cá, chega aos montões.
E se a “presença” de um museu é considerada de necessária, e a Câmara não quer dispor dos euros indispensáveis para a sua implantação, por que não, e para remediar, estudam, em conjunto com as oficinas que se mantém em actividade e que foram integradas na rede museológica de
Ovar, forma de “mostrar”, em local apropriado o que à industria esteve e está ligado.
Criar umas salas de exposição, inseridas no espaço de fabricação, para além de não originar grandes despesas, permitiria aos “visitantes” viver o passado, olhar o presente e perspectivar o futuro.

Garantidamente que as peças de ferramenta não se perdiam, o “olhar” era possível, o “sentir” vivido e os “muitos/muitíssimos” euros, poupados.
Tudo isto deveria acontecer enquanto a promessa que foi promessa, é promessa e de promessa não passará, nunca.

Será que em Ovar, da catrefada de imposto, sobram uns troquitos para em Esmoriz gastar?

Florindo Pinto
(Foto de José Fangueiro)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Leia também

Close