Opinião

Salvador Malheiro VS Fernando Medina – Pedro Nuno

Desengane-se quem julgava que o campeonato nacional de futebol seria a única prova desportiva a reiniciar. Nada disso, pá! No princípio desta semana, assistimos a um empolgante – e algo inesperado – duelo entre Salvador Malheiro e Fernando Medina. Um desafio que começou quando o Presidente da Câmara de Ovar sugeriu “um cerco sanitário a Lisboa” como única forma de travar um vírus que se tornou galopante naquela área. Disse-o já depois de, em Março, ter feito o mesmo em Ovar.

Não tardou o Presidente da Câmara de Lisboa a retorquir, num canal generalista, em horário nobre, tendo-se exibido mimado, como um miúdo do Ensino Básico que pretende ser delegado de turma e não consegue por causa de um outro, que, segundo ele, e de forma abstracta, fez da pandemia uma espécie de “medalha”, surgindo por diversas vezes na televisão. Referiu, ainda, através de uma argumentação que carece de fundamentos válidos (ou seja, de cariz desesperado!), que Salvador Malheiro é um “totó” (entrelinhas, um “saloio” que não conhece a capital e toda uma zona envolvente), e que só a vila de Sintra tem três ou quatro vezes mais população do que Ovar. Como se isso fosse o mais importante de toda uma discussão que jamais devia ter nascido.

Acrescento: Medina, através das suas desairosas declarações, procurou agonizar ainda mais um clima regionalista que foi despertado e surgiu à tona com o avolumar desta pandemia, de forma folclórica e descabida de uma realidade que devia prevalecer outras prioridades objectivamente importantes e essenciais. Mas não. Preferiam explorar os caminhos intelectualmente medievais e empoeirados de um Portugal algo adormecido no que toca a um romantismo adormecido.

Salvador Malheiro opinou. Fernando Medina acusou-o de não saber do que falava, como se o Presidente da Câmara de Lisboa não andasse pela televisão com a regularidade que toda a gente constata a comentar tudo e mais alguma coisa. Só me admira que ainda não tenha opinado sobre a chegada de uma nova família de golfinhos ao Estuário do Tejo ou no que se refere ao quotidiano do Toy durante o Estado de Emergência, por exemplo.

O cerne da questão prende-se na urgência (ou não) de um cerco sanitário em determinadas zonas da área metropolitana de Lisboa. Nada mais do que isso. Aliás, as declarações de Salvador Malheiro surgem, só e apenas, nesse seguimento. Apresentou uma visão realista, coerente e adulta. A desorientação crassa nas respostas de Fernando Medina são evidentes, mas jamais poderão servir de desculpa ao infeliz ataque a Salvador Malheiro, que, aparecendo muito ou pouco na televisão, enfrentou, a meu ver, a crise pandémica local de forma sensata, capaz e decidida, com um outro erro de menor importância. Adiante, adiante! Sejamos todos amigos, meus caros!

Pedro Nuno Marques
23.06.2020

Artigos relacionados

Deixe uma resposta