Empresas

61% dos portugueses gostaria de manter teletrabalho parcial após a pandemia

A Boston Consulting Group em conjunto com o The Network – rede da qual o Alerta
Emprego faz parte – revelou os dados do Global Talent Survey 2021, uma análise
global ao mercado de trabalho. O Alerta Emprego divulga os dados referentes a
Portugal. Neste estudo foram inquiridas 209.000 mil pessoas em 190 países, destes,
1.213 são de Portugal.

O Global Talent Survey, estudo elaborado pela Boston Consulting Group (BCG) em parceria
com o The Network, cujo representante em Portugal é o Alerta Emprego, revela que Portugal
encontra-se em 26º lugar no rank de países atrativos para trabalhar, tendo subido quatro
lugares desde 2018. O estudo mostra também o impacto da pandemia no mercado de
trabalho e as preferências dos trabalhadores no futuro.

O primeiro relatório do estudo revela que Portugal é uma das escolhas para trabalhar. No
topo dos países cujos trabalhadores gostariam de exercer funções no nosso país encontra-
se o Brasil.
O estudo revela também que 48% dos portugueses inquiridos não descarta a hipótese de
trabalhar no estrangeiro, sendo mais tendencioso entre jovens e pessoas com qualificações
mais elevadas. A preferência é para o país vizinho, Espanha.
Além disto, 70% admite que não se importaria de trabalhar remotamente para um
empregador noutro país.

No segundo relatório divulgado, o estudo assinala o impacto da pandemia no mercado de
trabalho, revelando que 61% dos inquiridos em Portugal, gostaria de manter o trabalho
remoto parcial após a pandemia.
Antes da pandemia apenas 2% dos inquiridos realizava as suas funções exclusivamente em
teletrabalho. Durante a pandemia (até fim de 2020), este valor aumentou para 19%. No pós-
pandemia, apenas 28% gostaria de ficar exclusivamente em trabalho remoto. A preferência
fica do lado das mulheres, com 31% das inquiridas a querer esta opção no futuro. Quanto ao
método de trabalho, entre fixo e flexível, 47% dos portuguese gostariam de ter uma
combinação entre flexibilidade e trabalho fixo.

O impacto da crise social e ambiental
No último ano, em Portugal, a questão ambiental e da diversidade e inclusão ganharam
importância. 70% dos portugueses mostra que estes são assuntos que os preocupam,
dentro deste valor uma grande maioria é a população jovem.
Mais de metade dos portugueses revelaram que estariam dispostos a excluir empresas que
não seguissem as suas crenças relativas a estes dois assuntos.
O impacto no local de trabalho
O estudo mostra que a Covid-19 causou impacto no local de trabalho, distinguindo um
impacto positivo e negativo. Entre os aspetos positivos, os portugueses consideram o uso de
ferramentas digitais, a flexibilidade de quando e onde trabalhar e o trabalho de equipa.

Já avaliado de forma negativa ficou a qualidade e forma de liderança e o bem-estar dos
funcionários.
O Global Talent Survey faculta dados sobre as preferências dos trabalhadores por género,
estado civil, grau académico, nível salarial, nível de competências digitais e posição na
hierarquia de trabalho. Estes dados estão na base de mais um relatório adicional que a BCG
e The Network irão publicar nos próximos meses. O terceiro relatório irá explorar mudanças
ao nível das perspetivas de carreira e expectativas dos trabalhadores.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo