Saúde

A Consulta de Prescrição de Exercício Físico – Por Dr. Luís Pereira de Melo

O Médico de Família é o primeiro ponto de contacto com a comunidade no sistema nacional
de saúde e tem um papel fundamental como promotor da saúde e bem-estar, onde se inclui
a atividade física. Tendo em conta a sua proximidade à comunidade e consequente
influência sobre um grande número de utentes, o Médico de Família pode ser o “principal”
prescritor de exercício físico no Sistema Nacional de Saúde.

Analisando os dados mais recentes referentes aos níveis de atividade física na população
portuguesa verifica-se que os resultados nacionais estão longe dos objetivos mínimos das
recomendações internacionais para a prática de exercício físico. Representativo dessa
realidade é o facto de cerca de 60% da população portuguesa “nunca” participar em
atividades de exercício físico, enquanto que a média europeia estima-se em 30%.

De forma mais concreta, Portugal apresenta os índices de atividade física mais baixos da
Europa estimando-se que apenas 15% dos adultos e 36% crianças/ adolescentes
portugueses cumprem as recomendações da organização mundial de saúde (150 minutos de
atividade moderada ou 75 minutos de atividade vigorosa, semanalmente; 60 minutos diários
para a crianças).

Nas atividades de lazer, cerca de 60% dos homens e 70% das mulheres portuguesas não
praticam exercício físico. Em Portugal apenas 40% dos cidadãos se desloca a pé cinco ou
mais vezes por semana e 39% nunca o faz. Constatou-se também que 94% da população não
utiliza a bicicleta em nenhum dia da semana (inclusive como veículo de deslocação).

Estes baixos índices de atividade contrastam com o aumento de infraestruturas pedonais,
ciclovia, parques desportivos, ainda assim precários a nível nacional, que podem
proporcionar treino de marcha, caminhada, bicicleta entre outros. No concelho de Ovar
existem diversas infraestruturas disponíveis desde piscinas, pavilhões, ciclovias e passadiços.
Face a estes dados, torna-se imperativo apostar numa mudança de hábitos que alcance toda
a população.

Antes da prescrição de um plano de atividade física individualizado, a intervenção deverá
passar por uma fase inicial que consiste no trabalho da motivação para a adoção de um
estilo de vida ativo. Esta abordagem motivacional é fundamental para o cumprimento dos
objetivos, tendo em conta que cerca de 67% dos portugueses passam mais de 7,5 horas por
dia em comportamentos sedentários.

Atualmente a promoção de um estilo de vida saudável é baseada em estudos científicos
credíveis que demonstram que o exercício físico é uma intervenção com resultados
equiparados à terapêutica farmacológica em muitas doenças (cardíacas, Diabete Mellitus,
osteoarticulares, depressão, perturbações da ansiedade) devendo ser aplicado na maioria
das situações como forma complementar de outros tratamentos médicos implementados.

Tendo em conta o meu gosto pela área do exercício físico, o facto de ser jogador de voleibol
e praticante amador de diversas modalidades, é com enorme prazer que tenho dedicado
parte da minha formação a esta área.

Neste sentido, surgiu a oportunidade de criar em 2018 uma consulta de prescrição de
exercício físico na Unidade de Saúde Familiar da Barrinha em Esmoriz pela qual sou
responsável.

O principal objetivo desta consulta é a promoção de atividade física e a prescrição de
exercício físico. A intervenção realizada assenta em três domínios principais: trabalho da
motivação e acesso a informação mais detalhada; iniciação à prática de exercício físico com
prescrição de um programa ajustado ao utente (condição física, presença de doença,
disponibilidade e gosto próprio); otimização de treinos já instituídos.

A integração desta consulta nos cuidados de saúde primários permite uma nova forma de
intervenção que não está presente nos moldes convencionais, contribuindo para um ganho
de saúde local e melhoria dos níveis de atividade física e exercício físico com todos os seus
benefícios inerentes.

Luís Pereira de Melo

Médico recém especialista em Medicina Geral e Familiar
(realizou Internato de Medicina Geral e Familiar na USF Barrinha em Esmoriz – AceS B.V.)

 

 

 

 

 

 

 

Bibliografia
1) Acelarómetros 2006-2008 (Baptista F, Santos DA, Silva AM, et al. Prevalence of the Portuguese population attaining
sufficient physical activity. Med Sci Sports Exerc. 2012;44:466-73.; Baptista F, Silva AM, Santos DA, et al. Livro verde da
actividade física. Lisboa: Instituto do Desporto de Portugal, I.P; 2011;
2) Eurobarómetro 2014 (European Commission. Special Eurobarometer 412. Sport and physical activity. Brussels: European
Commission, Directorate-General for Education and Culture and co-ordinated by Directorate-General for Communication;
2014.);
3) Inquérito Nacional 2014(INE. Inquérito Nacional de Saúde 2014. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, I.P.; 2016.
4) ersen BK, Saltin B. Exercise as medicine – evidence for prescribing exercise as therapy in 26 different chronic diseases. Scand J
Med Sci Sports. 2015; 25: 1–72.
5) Buffart LM; Effects and moderators of exercise on quality of life and physical function in patients with cancer: An individual
patient data metaanalysis of 34 RCTs. Cancer Treatment Reviews. 2017; 52: 91–104.
6) Blumenthal JA, Smith PJ, Benson M. Is Exercise a Viable Treatment for Depression? ACSMs Health Fit J. 2012; 16: 14–21.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo