CulturaPrimeira Vista

Associação de Artesãos tem nova “montra” na cidade

A Associação de Artesãos do Concelho de Ovar (AACOP) tem casa nova. A mudança deu-se este sábado, ficando agora instalada numa loja nas Galerias do Cáster, em pleno centro da cidade. No meio da cerimónia de inauguração do novo espaço, Saudade Carvalho, artesã que também esteve na génese da associação, recorda que “o nosso antigo espaço era muito grande, mas pouco ergonómico e funcional e, além disso, tinha muita humidade”. Depois, “havia a questão económica e, após ponderar bem, decidimos mudar”.

Elvira Gonçalves, outra fundadora da associação, confirma que a humidade foi o motivo principal que as levou a mudar, “porque estragava os trabalhos”. “Mudamos para aqui, sabendo que o espaço é mais pequeno mas é mais acolhedor”. A questão esconómica não é de desprezar, mas o importante “é que aqui temos mais luz e, não sendo um local de passagem, já há mais lojas do género e uma coisa puxa a outra”. As artesãs vareiras têm esperança que o turismo também as procure, “porque os nossos produtos fazem parte da cultura do nosso povo”.

Azulejaria, cerâmica, pintura em tecido, macramé, patchwork, bonecas e bonecos variados, brinquedos em madeira, etc, são produtos que se podem encontrar na casa da associação. “Tentamos ter trabalhos diversificados e acolhemos quem vem”, explica Saudade Carvalho que não esconde que “o objectivo no verão é cativar os turistas para levarem uma recordação de Ovar feita por nós”. Estando em Ovar, “também apoiamos o azulejo, a par da tanoaria, das redes e dos crochets, porque embora não se fale muito, noutros tempos, as mulheres ficavam na praia a chorar e a fazer renda enquanto os maridos iam para a mar”. “Não sabemos ser tanoeiras, nem redeiras, mas crochet, azulejo e olaria podemos fazer”.

Mas há mais para descobrir do muito que a loja tem para mostrar e ensinar a outras mulheres. “Com a crise, muitas mulheres vieram dedicar-se a esta arte mas é preciso ter qualidade e aqui damos alguma formação para que as nossas artistas façam trabalhos que o mercado aprecie”, salienta Elvira.

Portanto, a vertente formativa é importante e vai manter-se na nova casa. “Oferecemos cursinhos, workshops de costura, por exemplo, mantendo o foco no artesanato urbano”, acrescenta Saudade que recorda o envolvimento da associação no apoio às meninas africanas, nos projectos “Dress a Girl”, ou o “Polvo do Amor”.

Esta é uma actividade, a todos os níveis, importante, até do ponto de vista da mente. “Mantém as nossas cabeças ocupadas, o que é muito importante. Para aquelas mulheres que são sós, é muito importante ter esta actividade e aqui encontramos amigas e compahia e não estamos mais sós”.
Elvira concorda: “Em termos psicológicos, é muito importante, mentes ocupadas é muito bom. O artesanato é algo que amamos e quando se ama ultrapassa todos os obstáculos, porque umas vezes faz-se dinheiro e outras não, e é preciso lutar e manter o optimismo”.

A AACOP conta com 15 artesãs associadas, e “estamos abertas a quem quiser associar-se, mas não temos apoio de ninguém, temos que ser nós a lutar”.

A loja fica nas galerias do Cáster e serão as associadas que vão manter o funcionamento da loja. Vamos-nos revezando e o horário ainda não esta definico, mas as tardes estão asseguradas e as pessoas podem começar a aparecer.

A vereadora Ana Cunha este presente para expressar o “apoio da Câmara a este projecto”. “Reconhecemos a importância que estas associações têm para a preservação do nosso artesanato, mas também no papel que desempenham na inclusão social, educação, transmissão de saberes e fortalecimento da identidade vareira”, acrescentou.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo