ComunicadosPolítica

BE: “Cordex não paga salários a trabalhadores e quer que seja a Segurança Social a pagar”

A empresa têxtil de Ovar não terá pago o salário referente ao período de 6 a 17 de abril àqueles que, residindo no concelho, continuaram a trabalhar, segundo um comunicado do BE que já questionou o Governo e pede acção inspectiva.

Num conjunto de questões endereçadas ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, os deputados Moisés Ferreira e Nelson Peralta referem que os trabalhadores da Cordex residentes no concelho de Ovar começaram a trabalhar a partir do dia 6 de abril, enquanto os restantes trabalhadores, que residiam fora do concelho de Ovar, só com o fim da cerca sanitária, no dia 17, é que voltaram aos seus postos de trabalho.

Ainda assim, “a empresa Cordex, no final do mês de abril, não pagou aos trabalhadores residentes no concelho de Ovar os dias trabalhados entre 6 e 17 desse mês, tendo os trabalhadores recebido a informação que esses dias seriam pagos pela Segurança Social”.

Desta forma, a Companhia Industrial têxtil parece “pretender que a Segurança Social assuma o pagamento do salário a todos os trabalhadores, mesmo aqueles que não estiveram impedido de trabalhar por causa do cerco sanitário e que, inclusivamente, estiveram a trabalhar e, nesses dias, a realizar mais-valia para a empresa”.

Os deputados relembram que, no dia 22 deste mês, o presidente da República e o primeiro-ministro visitaram uma empresa do grupo Cordex em Ovar, a Flex2000.

Neste contexto, Moisés Ferreira e Nelson Peralta querem que, quer a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), quer o Instituto de Segurança Social (ISS), intervenham e averiguem a situação.

“Foi anunciado pelo Governo que estas duas entidades estarão no terreno, nos próximos dias, numa acção nacional de fiscalização relacionada com o lay-off simplificado. Não sendo esta uma situação relacionado com o lay-off, a Segurança Social não deve deixar de fiscalizar a mesma, uma vez que pode estar em causa a tentativa de acesso indevido a apoios”, escrevem os deputados.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta