Política

BE visita obra da Polis no caminho agrícola contíguo ao Rio Cáster na Ribeira

Os autarcas do BE da Assembleia Municipal e da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Arada, S. João, Ovar e S. Vicente de Pereira realizaram no passado domingo, uma visita guiada por moradores e agricultores da Ribeira às obras no caminho agrícola contíguo ao Rio Cáster na Ribeira, adaptado a percurso pedonal/ciclável no âmbito da intervenção da Polis Litoral Ria de Aveiro entre o Cais da Ribeira e a Foz do rio Cáster.

Ao longo do percurso, José Lopes e Ismael Varanda foram alertados para vários pontos críticos identificados pelos moradores/agricultores, questões que deram origem à elaboração de requerimentos já enviados aos respetivos órgãos autárquicos em que o partido tem representação.

Solicitam que as “entidades competentes assumam as suas responsabilidade, tanto no acompanhamento da obra, como da intervenção para corrigir as situações de desmembramento das estruturas construídas”.

Entre os pontos críticos observados, destacam “os dois locais de travessia do rio para as terras de cultivo em que a obra efectuada, que envolveu uma passagem em betão no leito do rio, com uma cota eventualmente mais elevada do que deveria ser, acaba por estar a funcionar como represa de águas e consequentemente, a provocar alterações nas correntes do rio”.

Esta situação, segundo eles, “está a originar a destruição da estacarias que teriam o objetivo de segurar as margens a montante e jusante”. “Estacarias e intervenção nas margens, que também não estão a resistir aos caudais mais elevados resultantes das cheias e de correntes mais fortes”, acrescentam.

Em requerimento enviado ao Municipio, o BE questiona que tipo de monitorização está a Câmara Municipal de Ovar a fazer relativamente a esta obra da Polis de requalificação do caminho agrícola contíguo ao rio Cáster.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta