Publicidade
Covid-19

Enfermeiros exigem cordão sanitário para o Norte

Exemplo de Ovar apontado pela Ordem dos Enfermeiros

A Ordem dos Enfermeiros exigiu esta terça-feira uma “intervenção mais musculada” no Tâmega e Sousa onde o número de casos covid-19 está a “atirar” o hospital de Penafiel e unidades vizinhas para a “rutura”, disse o presidente da secção Norte.

“A doença tornou-se incontrolável (…). Já não é só a capacidade do Hospital de Penafiel que está em causa. É dos hospitais à volta. Na primeira vaga [da pandemia da covid-19] fizeram uma cerca sanitária a Ovar numa situação muito semelhante à que se está a passar no Tâmega e Sousa. Agora decidiram de outra forma por razões que nos parecem meramente políticas. É necessária uma intervenção mais musculada”, referiu João Paulo Carvalho, em declarações à Lusa.

O Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa está “sob pressão”, dando conta de 197 doentes internados, dos quais 10 em cuidados intensivos.

publicidade

João Paulo Carvalho considera que as medidas impostas pelo estado de emergência “não estão a surtir efeito no Tâmega e Sousa” porque “são apenas recomendações” e “boas práticas sanitárias”. “Não é com medidas de um estado de emergência preventivo que se controla um surto generalizado na comunidade. Um estado de emergência, pelo menos para aqueles concelhos, tem de ser reativo”, referiu.

O presidente da secção Norte da Ordem dos Enfermeiros apontou o dedo à capacidade de comunicação da Direcção-Geral da Saúde (DGS), considerando que “não está a ser eficaz”. “As pessoas já não acreditam na sua directora-geral. Não acreditando, não aderem, não acreditam, não se preocupam”, referiu.

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo