Cultura

“Posso Olhar Por Ti”, filme com Carolina Torres ganha prémio internacional

Teve a sua estreia mundial no festival de cinema 26º AVANCA 2022

O filme “Posso Olhar Por Ti”, de Francisco Lobo Faria, que teve a sua estreia mundial no festival de cinema 26º AVANCA 2022, foi premiado com o “Best Youth Cast” [melhor elenco de jovens] no festival australiano Titan International Film Festival, de acordo com a produtora.

A cerimónia de entrega de prémios da primeira edição do festival, referente ao ano 2022, realiza-se este sábado, no Palace Chauvel Cinema, em Sydney, e conta com a presença do realizador Francisco Lobo Faria, lê-se num comunicado enviado à Lusa pela produtora de cinema Filmógrafo.

Posso Olhar Por Ti “retrata um grupo de crianças organizado em prol de um objetivo comum e, para o alcançar, desenvolvem a sua veia empreendedora, exploram os seus talentos e capacidades, falham, desentendem-se, mas não desistem”, referiu o comunicado.

O realizador destacou, além disso “a importância de contar histórias que retratem a realidade dos jovens e ajudam a compreendê-los melhor”.

Com imagem de Carlos Melim, som de Daniel Guiomar, produção executiva de Vanessa Fernandes e montagem de Herman Delegado, “o filme reúne uma extensa lista de técnicos, atores e figurantes originários da Madeira”, realçou o comunicado.

Francisco Lobo Faria é licenciado em Teatro pela Escola Superior de Teatro e Cinema do Instituto Politécnico de Lisboa. Como ator participou em filmes como “A Eternidade e um Dia”, “Feiticeiro da Calheta” e a série de televisão “Abandonados”. “Posso Olhar Por Ti” é o primeiro trabalho do ator enquanto argumentista e realizador.

O filme teve o apoio do Governo Regional da Madeira, através da Secretaria Regional de Turismo e Cultura, contando também com a participação da Câmara Municipal de Porto Moniz e de diversas entidades públicas e privadas da Madeira.

Numa reação, o secretário regional de Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, salientou que o prémio está “a mostrar o quão é importante” a aposta do Governo Regional “na área do cinema, audiovisual e multimédia”.

Trata-se de “uma oportunidade acrescida de divulgar o trabalho dos madeirenses com outras competências profissionais e, por parte de gerações mais novas, neste caso, num país onde existe uma forte diáspora regional”, disse.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo