Opinião

Grande Notícia – Florindo Pinto

Grande notícia para Esmoriz, para o Município de Ovar e para toda a região.
Parabéns a todos!
Foi com esta palavras que, a 25 de Maio, servindo-se das novas tecnologias, se expressou o actual presidente da Câmara de Ovar.

Salvador Malheiro, no Facebook, refere, ainda, que, depois de mais de 5 anos de uma –verdadeira batalha – , a requalificação da Barrinha de Esmoriz, fora, finalmente, contemplada, com o lançamento a concurso, pelo Conselho de Administração da Sociedade Polis Litoral Ria de Aveiro.

Nós lemos e ficamos a questionarmo-nos sobre o tipo de obras que seriam contempladas no “tal concurso” e que teriam a sua conclusão em cerca de 9 meses, isto depois de cumpridas todas as formalidades legais que as tais obras, se obras a sério são, implicam.

Servimo-nos dos prazos que são referenciados pelo responsável da edilidade vareira e, percebemos, que a “promessa” seria cumprida lá para fins de Junho de 2016.

Em verdade, seria uma grande notícia, se a verdade fosse mesmo verdade. Mas…

A Barrinha não só está fortemente poluída, como está atulhadíssima de promessas, que os políticos e governantes, ao longo dos anos, têm feito. Disto sabem os Barrinhotos. E os Barrinhotos sabem, também, que toda e qualquer obra na Barrinha, será um triste remedeio, enquanto não forem eliminadas as fontes poluidoras.

Os técnicos, por certo, disso deram conhecimento aos “vendedores de votos”, que teimam em “prometer”, mas não explicam onde foram gastos os 5,8 milhões, no tempo da moeda em escudos, que o então primeiro ministro, António Guterres, chegado a Esmoriz de helicóptero, veio “trazer”.

Mas esqueçamos a “grande notícia”, que tem o valor que tem, e debrucemo-nos sobre o tipo de intervenção que o “tal concurso” encerra e a que não tivemos acesso, talvez por culpa nossa.

Que tipo de obras vão ser feitas e executadas em nove meses? As obras, verdadeiras obras, serão muito, e muito demoradas, tal é a sua complexidade.

Serão essas obras a sério, e necessárias, que estão projectadas? Sinceramente não acreditamos e não “embarcamos” na intenção da promessa.

No entanto, podemos admitir que a “grande notícia” tem “sumo”, e que as obras previstas serão executadas no respeito pelos prazos anunciados. Mas, em tão curto espaço de tempo, não acreditamos que a intervenção anunciada, como uma vitória em longa batalha, passe para além do limpar de algum mato, corte de ervas daninhas e do arrancar de alguma vegetação invasora, como as austrálias e as plumas.

Certo, certo, é que nos agradaria ver a Barrinha recuperada, em estado de conservação como estava na década de cinquenta e saber que, ali, muita gente poderia passar a encontrar o seu pão.

Gostaríamos que assim passasse a ser. Mas, ao que parece, aquele espaço está tristemente condenado a ser reservado para perpetuar na memória dos Esmorizenses, e dos Paramenses, os muitos “pinóquios” que dela se têm servido.

Obras a sério na Barrinha!!! Só Bordalo Pinheiro, antecipou a resposta.

Florindo Pinto

Artigos Relacionados

One Comment

  1. Na verdade, corroboro com esta opinião. Sou neto de um antigo “Guarda Rios” que se deslocava armado rios acima e multava quem descarregasse fossas para os ribeiros. É demagógico e inconsciente começarem a construir uma casa pelo telhado! e cá entre nós…seria tão fácil resolver o problema da sua origem! deixo aqui a minha humilde sugestão: acompanhem o caudal dos rios, riachos e ribeiros até à sua nascente e onde detectarem as descargas tenham coragem que acabar com elas. Só assim, o investimento que querem fazer na lagoa será recompensado.

    António Sá

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo