Covid-19

Moção de Defesa da Costa e Erosão Costeira aprovada pela União das Freguesias

A União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira aprovou por, unanimidade, uma Moção em que «solicita o continuado e atento trabalho da Câmara Municipal» e exige ao Governo e às entidades nacionais e regionais por ele tuteladas, «urgentes intervenções na costa do concelho de Ovar, e, no território da União das Freguesias de Ovar, nomeadamente na praia do Furadouro, na praia dos Marretas, no Torrão de Lameiro, e em torno da proteção dunar que une estas duas praias, que vão muito para além de meras operações de cosmética».

O mau tempo e a forte agitação marítima registados nos últimos dias do ano de 2013 e nos primeiros do ano de 2014, vieram, mais uma vez, «pôr a nu a fragilidade da costa do concelho de Ovar, em particular, no que toca ao território da União das Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira», lembra a Moção apresentada na reunião da Assembleia de Freguesia, realizada na última sexta-feira, 10 de Janeiro.

O documento refere que «a praia do Furadouro, de cariz urbano e a praia dos Marretas, no Torrão de Lameiro, sofreram avultados prejuízos materiais, com especial incidência na praia do Furadouro, onde foram destruídas proteções costeiras em pedra, bem como, bens particulares, nomeadamente, habitações, garagens e estabelecimentos comerciais».

«A Junta de Freguesia e a Câmara Municipal fizeram todos os possíveis para minimizar os estragos ocorridos e apoiar as populações desesperadas contra o forte avanço do mar», recorda o documento, no entanto, «o âmago do problema situa-se nas frágeis proteções costeiras que ao longo dos últimos anos, não têm sido objeto da devida atenção e do necessário investimento por parte dos organismos centrais e regionais que tutelam essa área».

A Moção que será enviada ao Governo e ao Ministério do Ambiente, Ordenamento do território e Energia, lembra que, «após estes dias de intenso ataque do mar à nossa orla costeira, encontram-se estas defesas, último reduto de proteção de bens e pessoas, gravemente danificadas, pelo que urge, em primeira instância efetuar investimentos que reforcem a segurança das populações e dos seus bens».

Nunca é de mais lembrar que «a costa do concelho de Ovar, e nesta União das Freguesias, encontra-se classificada por entidades independentes como uma das mais frágeis e vulneráveis no território nacional», pelo que a Assembleia da União das Freguesias pensa que «é igualmente necessário tomar medidas de investimento, com carácter de médio e de longo prazo, que permitam por um lado proteger as pessoas e seus bens e por outro continuar a promover a utilização das praias na época balnear, motor de fulcral importância para a economia local».

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta