CulturaPrimeira Vista

Os 510 anos do Foral de Pereira Jusã, gastronomia, música e dança

O centro histórico de Pereira Jusã, na freguesia de Válega, voltou a lembrar tempos idos, os dias do Foral Manuelino, outorgado há 510 anoa.

O lugar perdeu a importância que tinha, mas os vestígios permanecem, estendendo-se numa planimetria urbana irregular, congregando alguns edifícios dos séculos XVIII e XIX.

A antiga vila de Pereira Jusã foi sede de concelho, extinto em 1852. Do conjunto urbano fazem parte os antigos paços do concelho, de planta em L, divididos em dois pisos, cujas fachadas são marcadas pela abertura regular de janelas. Frente a este edifício erguia-se o pelourinho, uma coluna circular assente sobre um soco de três degraus, rematada por bola, sem motivos decorativos.

“O que hoje se encontra na vila é uma réplica do original, estando este depositado no Museu de Ovar”, informa Catarina Oliveira, da Direção Geral Património Cultural (DGPC). Junto à sede do extinto concelho ergue-se o edifício que albergou a cadeia comarcã e o tribunal. O acesso a este imóvel, de planta retangular e dois pisos, faz-se por escada exterior de granito, cujo patamar no piso superior era coberto por alpendre, atualmente destruído.

Esta construção tem ainda a particularidade de exibir na fachada apenas o piso superior, facto que se prende com a utilização do andar térreo como espaço de prisão. Catarina Oliveira salienta que “no limiar do antigo terreiro da câmara estava originalmente edificada a Capela de Santa Isabel, chamada também “capela dos presos”; foi demolida, uma vez que depois da extinção do concelho e do encerramento da cadeia local esteve abandonada por largos anos, o que levou a seu estado ruinoso”.

Do centro histórico da vila fazem ainda parte uma casa senhorial e a sua imponente capela, dedicada a Nossa Senhora da Conceição. Esta “casa da capela”, ou Quinta do Fonseca, como é referenciada localmente, foi edificada no século XVIII, época de que data também o seu majestoso templo privativo.

Desenvolvendo-se em planta retangular, a casa agrega-se à capela, de semelhante planimetria, que se ergue perpendicularmente em relação à habitação solarenga, formando um L. No frontispício da casa, rasgado por janelas de moldura em arco abatido abertas a espaços regulares, destaca-se uma escadaria dupla de granito, do lado esquerdo, e o portão armoriado de acesso à propriedade que a circunda, do lado direito.

A capela, fundada em 1763, apresenta fachada totalmente revestida a azulejos azuis e brancos, com portal de frontão interrompido, encimado por óculo polilobado, rematada por empena contracurvada com cruz. No interior, de nave única, pode ver-se um retábulo de talha dourada e policromada, com uma imagem da padroeira, Nossa Senhora da Conceição.

A origem de Pereira Jusã remonta, certamente, à Idade Média, embora a tradição local lhe atribua fundação pré-histórica. A elevação desta antiga vila a concelho apresenta, também, contradições. A fonte da DGPC diz que “terá tido “foral velho” outorgado por D. Afonso III, porém, no reinado seguinte era referenciada na documentação régia apenas como lugar”.

De qualquer modo, com a reforma administrativa e concelhia encetada por D. Manuel I, a vila recebeu foral, outorgado em 1514. Durante cerca de duzentos anos, a partir da concessão do foral manuelino até 1708, Pereira Jusã integrou os senhorios dos Condes da Feira. Com a extinção desta casa, em finais do século XVII, o rei D. Pedro II dispôs destas terras em favor do seu filho, o Infante D. Francisco”, assume Catarina Oliveira.

Mais tarde, em 1708, D. João V confirmava ao irmão a doação do pai, ficando os bens da Casa da Feira integrados, desta forma, na Casa do Infantado. O concelho de Pereira Jusã manteve-se até 1852, data em que foi extinto e incorporado no município de Ovar.

É neste cenário que a Associação de Amigos do Antigo Concelho de Pereira Jusã organizam todos os anos um evento que pretende reavivar a nossa memória para o património que ali está e poderia merecer outra sorte. Este ano, lançaram um livro, organizaram um jantar medieval, cortejos, teatro, entre outras iniciativas.

 

Publicidade
Botão Voltar ao Topo