Publicidade
Opinião

Ter animais de estimação na China? Super conveniente até nas férias! (Parte II)

[themoneytizer id=”16574-1″]

Recentemente, certo dia notei que não estava a comer, ignorava a erva e as cenouras. Impossível, este coelho de palmo e meio que come mais do que eu, passar uma noite sem comer não é possível! Não é possível um coelho decidir fazer dieta para manter a linha! Além de que
passou mais do que umas horas no mesmo canto. Não é possível também! Cuscos como são estes bichos, sempre a dar fé de tudo em casa e sempre atrás do dono estaria estranha, estaria doente.

No fundo, conhecemos os nossos bichinhos, sabemos quando estão bem e mal e apressei-me a levá-la a um veterinário em que tivessem especialistas em coelhos.
Ainda bem que existe Pequim, que existe de tudo cá, que é tão grande que até há um veterinário que pode dar atenção especial a um coelho e não apenas um veterinário especialista em cães e gatos!
Levei-a, percorri 10 km de carro, dentro do mesmo distrito (Chaoyang) até ao novo bairro de Wangjing – também chamado bairro coreano pela grande quantidade de coreanos que lá vivem – preenchi os documentos, esperei que a tirassem da casota para analisar, diagnosticar, etc.
O diagnóstico veio, felizmente não é nada de grave que ameace a vida dela, mas nada leve tão-pouco.

Têm o que chamam em inglês de “ileu”, uma complicação no trato digestivo do coelho, em que para evitar que se torne uma bola de neve com consequências irreversíveis há que alimentar a coelha forçosamente, com seringa, algumas vezes ao dia.

publicidade

Como precisa dessa atenção, precisava de ficar hospitalizada três dias, o que concordei. Paguei as despesas, nada baratas, mas quando lhes ganhamos carinho aos nossos amigos de quatro patas, nem pensamos nisso, só pensamos que como frágeis que são, que recuperem depressa e nos dêem a mesma alegria de sempre, aquele sentimento a que nos habituam desde o primeiro dia em que cruzam na nossa vida.

Descobri além disso que têm um serviço de férias para os donos, em que a troco de 10 euros por dia, o animal tem monotorização 24 horas por dia, dois exames por semana, os diagnósticos mais vídeos e fotos são enviados regularmente ao dono e este, não tem que se preocupar em recorrer a amigos para ficar com o seu bichinho, pode ir descansado de férias, em viagem de trabalho, o que seja, nem em último reduto cai na tentação da crueldade que muito se vê em Portugal no Verão de abandonar o amigo de quatro patas.

O serviço não é barato, mas é conveniente. Não me imagino a sair de cá e não ficar descansado como vou deixar a minha bola de pêlo castanho e nem sequer me passa pela cabeça abandoná-la… Isso é monstruoso. Na verdade, aceitar um animal doméstico é uma grande responsabilidade, significa aceitar as boas e más consequências que daí advêm como ter a casa e objectos danificados, levar o animal ao veterinário, pagar os gastos e procurar uma alternativa quando se vai de férias.

Não é abandoná-lo! Não sei o panorama português, nem se existem este tipo de serviços de férias para donos em que os animais são deixados no veterinário contra o pagamento dum preço. Se não existe era outra forma de os veterinários lucrarem mais e dos donos não ficarem
com um peso na consciência de em última instância deitarem fora o que consideraram ser um brinquedo e não uma vida que outrora lhes deu felicidade, mimo e atenção!

O meu bichinho cá estará para me receber com as suas pequenas patas quando voltar de férias!

Rosendo Costa
em Pequim

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo