Covid-19

Tribunal está a julgar caso de alegada violação

A julgar uma alegada violação, ocorrida há cinco anos, em que a vítima era amiga do presumível agressor.

O homem, com cerca de 40 anos, é suspeito de ter violado a mulher a quem terá dado boleia, em Janeiro de 2009. No mesmo processo responde outro indivíduo, acusado de sequestro em co-autoria.

Na última audiência, os dois homens apresentaram versões diferentes. O alegado violador admitiu que transportou a amiga na sua viatura e que, de facto, mantiveram relações sexuais, mas tudo com o consentimento da mulher. 

Depois, terá parado numas bombas de gasolina, ela viu a polícia e foi pedir socorro, dizendo que tinha sido sequestrada e violada. 

O suspeito garantiu que é tudo mentira, negando perante o colectivo de juízes que o outro suspeito tenha estado envolvido no sequestro, conforme sugere a acusação do Ministério Público (MP).

Este relatou que foi com buscar a vítima a Esmoriz com o outro suspeito e que, durante a viagem, o casal iniciou uma discussão. 

Quando chegaram a Ovar, saiu do carro, levando consigo a réplica de arma que terá sido utilizada para ameaçar a mulher, descreveu o ajudante de padeiro.

Um mês antes deste episódio, a ofendida, que ainda não prestou declarações em julgamento, apresentara uma queixa por violência doméstica, no Porto. O MP requereu informações sobre este processo com o objectivo de tentar entender que tipo de relação o presumível violador e a mulher mantinham, já que o homem nega que alguma vez tenham sido companheiros. 

O suspeito encontra-se actualmente detido num estabelecimento prisional, à ordem de outro processo. Entretanto, o tribunal está a tentar localizar a suposta vítima, uma vez que entende que o seu depoimento será crucial para a descoberta da verdade. 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta