Covid-19Opinião

A notícia da Santa Misericórdia da Misericórdia de Ovar

Após leitura atenta do artigo publicado na imprensa acerca da situação vivida na Santa Casa Misericórdia Ovar, onde foi apresentada a disfunção / descoordenação das diversas entidades envolvidas no tratamento e acompanhamento de doentes COVID, não posso deixar de esclarecer um aspecto não corresponde à verdade.

Refere a entrevista do Sr Provedor o seguinte:
“A segunda agravante é a indisponibilidade das famílias para receberem os seus próprios idosos: “Logo depois dos primeiros testes, contactámos os familiares de uns 80 idosos cujos resultados deram negativo e, mesmo sabendo que eles não estavam infetados, só umas três pessoas estiveram dispostas a recebê-los em casa”.
Álvaro Silva acredita que algumas das famílias contactadas não terão efetivamente condições para acolher os seus seniores, mas defende que, na maioria dos casos, a resposta negativa “é só mesmo para delegar responsabilidades nos outros – o que é mais uma coisa muito triste que se vai ter que avaliar bem no futuro”

Fazendo uma cronologia dos acontecimentos, e que dizem respeito a meus familiares, esclareço:
A) Da entidade referida, foram feitas 3 comunicações à familia (antes de declarado o 1º utente infetado) que foram: o primeiro a informar da restrição de visitas; o segundo a aconselhar a não saída de utentes e o terceiro a informar da proibição de entrada na residência de qualquer objeto proveniente do exterior.

B) Após o conhecimento do 1º infetado na instituição, (conhecimento esse que não foi comunicado pela mesma), nunca foi participado à familia da situação ocorrida, nem tão pouco qualquer plano de contingência face à nova realidade foi informado. (Bem diferente do que aconteceu recentemente no Lar de S. Tomé, cujas participações a familias foram feitas logo após conhecimento da situação!)

C) Não houve portanto nem informação das medidas adotadas/ a adotar pela instituição, ou de quaisquer iniciativas tomadas em articulação com as entidades competentes, após a identificação de casos positivos na mesma.

D) Nunca foi solicitada pela instituição qualquer participação/ envolvimento/ colaboração da familia, no sentido de se minimizar os efeitos da pandemia.

E) Nunca a família delegou responsabilidades à entidade que não fizessem parte das suas competências, pelo contrário, verifica-se até em algumas situações que a entidade decide por si e atua, muitas vezes não dando conhecimento às familias, sabendo estas por outros meios, que prova a incomunicabilidade da instituição.

F) O recorrer ao apoio da instituição não significa, em todos os casos, como as suas palavras querem fazer transparecer, o abandono, a entrega, o despejo ou a demissão das famílias.

Sendo o serviço da instituição que representa de elevado interesse e responsabilidade social e por todos reconhecida, seria importante que pudesse haver um discurso coincidente entre palavras e actos, o que nem sempre tem acontecido.

Para bem da instituição e principalmente dos que nela residem, é importante que verifique se a hierarquia na mesma comunica entre si ou, até, se as informações que lhe são comunicadas internamente correspondem efetivamente aos actos praticados.

Com os melhores cumprimentos,

Leitor devidamente identificado

Artigos relacionados

Deixe uma resposta