ComunicadosPolítica

PSD: Carla Madureira acusa governo de deixar defesa da costa fora do plano de resiliência

A deputada do PSD Carla Madureira defendeu esta terça-feira que a ausência da defesa da
costa contra a erosão é uma das lacunas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).
Intervindo numa audição ao ministro do Ambiente, a parlamentar social democrata referiu-se aos
dados alarmantes verificados nos 13 quilómetros de costa do concelho de Ovar.

“Uma lacuna especialmente grave do PRR é a ausência de investimentos ao nível da proteção
do litoral e do combate à erosão costeira” – vincou Carla Madureira na audição ao governante,
enfatizando que é no litoral que se concentra a maior parte da população e das actividades
económicas.

Carla Madureira recordou o ministro de que nos últimos meses “o mar andou a passear na
marginal da praia do Furadouro, uma das zonas mais críticas do litoral centro”, referindo que
“nos 13 quilómetros que se estendem entre Cortegaça e o Torrão do Lameiro, o recuo médio
anual da linha de costa foi de cerca de três metros, mas, em Maceda, o mar engoliu quase 30
metros de areal”.

Sublinhando que “a erosão e o recuo da linha de costa é especialmente preocupante na região
Centro, com várias comunidades ameaçadas por galgamentos oceânicos, em período de maior
agitação marítima”, a deputada aveirense lamentou que não haja “um referencial de
financiamento futuro para a política de litoral e correspondentes intervenções em proteção
contra a erosão costeira”.

A parlamentar do PSD quis saber do ministro que ações concretas estão previstas para a
proteção deste troço especialmente vulnerável, para além do que já foi financiado pelo
POSEUR, que perspetivas financeiras existem para o futuro Quadro Financeiro Plurianual e
como será financiada a política de proteção do litoral até 2030.

A outro nível, Carla Madureira questionou o governante sobre quem vai gerir as intervenções de
proteção costeira para além da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), com a extinção dos
Polis Litoral, “que, pelos vistos, continuam a funcionar ad eternum”.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta