Política

PSD: Ana Cunha faz balanço positivo da sua actividade

Na primeira sessão do ciclo de conferências “Pensar Ovar 2017”, promovido pelo PSD, a vereadora da Educação da Camara Municipal de Ovar, Ana Cunha fez um balanço da sua actividade, verificando que os objectivos a que se propôs “já foram largamente concretizados”. Congratulando-se por terem sido abertas “novas avenidas de colaboração entre as instituições de ensino do concelho e a autarquia, a vereadora lembrou as melhorias em termos de equipamentos, desenvolvendo actividades curriculares complementares e iniciativas de apoio socioeconómico à população escolar, para além de apoiar as associações de pais e as iniciativas associativas escolares”.

Em termos globais, quanto à actuação deste executivo, a responsável política afirmou que “o que nós queremos para o futuro é pôr de pé o Plano de Desenvolvimento da Educação de Ovar, sempre numa óptica de diálogo entre os todos, tendo como objectivo primordial a promoção sucesso escolar, facilitando a educação e o estudo em Ovar, gerando oportunidades educativas e criando novas dinâmicas de trabalho participado e envolvido com todos, de fora para dentro do sistema”.

Joaquim Azevedo, docente na Universidade Católica Portugues e um dos autores da Revisão da Carta Educativa de Ovar em 2015, salientou a necessidade de passar de um modelo de educação massificada que se verificou nos últimos 40 anos para um modelo onde seja possível personalizar e acompanhar os alunos desde o início, rastreando os problemas e agindo sobre os mesmos. Esta acção “deverá passar não só pela inclusão e integração de todos os alunos em ambiente escolar mas também pelo acompanhamento do seu contexto sóciofamiliar”, tendo como objectivo que “ninguém fique para trás” e que todos cheguem ao final do seu percurso escolar devidamente preparados e integrados por forma a ingressarem com sucesso na sociedade.

Salientou o facto de os municípios pequenos, dada a sua dimensão, conseguirem promover a integração de uma forma individualizada, seguindo as crianças “uma a uma”, orientando-as e conciliando esforços entre todos os participantes no processo educativo.

Na sua intervenção, Estela Tomé, directora do Agrupamento de Escolas de Esmoriz/Ovar Norte frisou a necessidade de que o esforço de integração deve também ser concertado entre todos os participantes na sociedade, sendo relevante a necessidade de uma escola aberta promovendo uma mediação
escolar e social dos alunos e acompanhando os “alunos mais complexos”. Como exemplo, destacou o projeto Fénix, de apoio aos alunos com mais dificuldades no primeiro ciclo a nível da leitura e da matemática. No entanto, e dado o agrupamento escolar de Ovar Norte/Esmoriz ser caracterizado por uma grande diversidade, esta obriga a responder de forma diferente em contextos diferentes, colocando grande exigência em termos de coordenação e acompanhamento dos alunos.

Como balanço das intervenções, o PSD de Ovar sustenta que apesar de haver “capital humano em qualidade e quantidade, é necessário envolver e coordenar toda a sociedade no seu processo educativo, sendo este um dos melhores investimentos que podemos fazer na nossa sociedade”.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta