Opinião

Escola Oliveira Lopes, a reinventar-se desde 1908 até ao presente

O passado dia 24 de maio foi um dia que contabilizo entre os mais felizes da minha vida! Concretizou-se a consignação das obras no edifício da Oliveira Lopes. Até as condições climatéricas foram um bom prenúncio, de facto, em dias marcantes é hábito dizer que dia molhado é dia abençoado. Eu digo: sessão de consignação das obras do Museu Escolar Oliveira Lopes (MEOL) molhada é sinal de obra abençoada.

É com enorme prazer e orgulho que dou, em primeiro lugar, os parabéns ao executivo da Câmara Municipal de Ovar (CMO) liderado pelo Sr. Engenheiro Salvador Malheiro, pelo ato de arrojo, coragem e pela consideração e execução da obra de requalificação do edifício, onde está sedeado o Museu Escolar Oliveira Lopes (em diante designado apenas pela sigla MEOL).

À Junta de Freguesia de Válega agradeço pela defesa da proposta apresentada de requalificação e musealização do edifício e pelo apoio dado na sugestão que fizemos à CMO, no sentido de ser o Dr. João Borges a coordenar o projeto, sem sombra de dúvida o homem certo para o fazer.

Não pretendo fazer uma retrospetiva histórica exaustiva, mas é inegável que a Escola Oliveira Lopes sempre gozou e goza de um estatuto privilegiado no imaginário das nossas gentes e desempenhou, ao longo de mais de um século, um papel fundamental nas nossas vidas. No entanto, mais interessante do que observar a sua respeitável longevidade é apreciar a forma como esta instituição foi capaz de se reinventar, desde 1908 até ao presente.

É evidente que essa responsabilidade “não morre solteira” e tem nomes soletráveis que é indispensável destacar:
• A família Oliveira Lopes que, desde os primeiros beneméritos José e Manuel José de Oliveira Lopes aos seus descendentes, nunca abandonou o projeto abraçado em 1908, destacando ainda o papel do saudoso Dr. José Pereira Herdeiro na qualidade de mecenas, que sempre apoiou a Associação de Antigos Alunos da Escola Oliveira Lopes (adiante designada apenas pela sigla AAAEOL) e o MEOL, defendendo de forma intransigente o legado dos seus antepassados.

• A AAAEOL, a qual me orgulho de presidir, integrada por gente enérgica, ativa e resiliente, que sempre defendeu a requalificação e musealização do edifício da Escola Oliveira Lopes, quando se tornou previsível o encerramento como estabelecimento de ensino, algo  inevitável porque expressamente previsto na Carta Educativa do Município de Ovar, tornada pública em 2005. Aliás, o encerramento foi consequência fruto  da modernização do parque escolar, da redução do número de alunos, da degradação das instalações, da construção de um complexo escolar mais adequado à qualidade de ensino e maior exigência das atividades letivas, fruto da introdução das novas tecnologias, localizado na Regedoura. De facto, foi a AAAEOL quem colocou o tema na agenda política do Município de Ovar desde 2011, que já contava com o Sr. Engenheiro Salvador Malheiro, à época vereador em regime de não permanência no executivo camarário liderado pelo Dr. Manuel Oliveira, com o objetivo de assegurar que o edifício da escola Oliveira Lopes se tornaria num espaço que seguisse o conceito da Nova Museologia e num polo cultural/educacional dinâmico e atrativo também para a nossa comunidade, dando-lhe uma nova vida, afastando o risco apregoado por alguns “velhos do restelo” de que este se tornaria num verdadeiro “mono” ou “pombal” com o encerramento concretizado em 2014 por determinação do Ministério da Educação.

No ano em curso, o MEOL completa 20 anos e neste lapso de tempo, perdoem-me a falsa modéstia, a AAAEOL tem estado à altura dos desafios, acarinhando e preservando um espólio que é único na História da Educação do nosso país, recolhendo objetos, documentação e divulgando o nome do MEOL por todo o país e além-fronteiras. Caros amigos de direção e restantes corpos sociais, eu nunca disse que seria fácil, mas sim que iria valer a pena!

Podemos questionar-nos: Valeu a pena? Valerá a pena? Sim, tudo vale a pena, se a alma não é pequena… já diz o poeta. E vocês têm alma de gigantes!

• Por último, mas não menos importante, o meu (nosso) estimado Professor primário, Joaquim de Almeida Pinho, que foi docente durante mais de trinta anos na Oliveira Lopes, e, vendo aproximar-se a reforma como docente, não se conformou com a perda de um espólio tão valioso e único no panorama nacional. Foi um visionário e sem o seu inestimável contributo o legado dos Irmãos Oliveira Lopes estaria irremediavelmente perdido! Foi a sua vontade férrea que levou à criação do MEOL em 1996. É ele, sem sombra de dúvidas, o “Grande Pai” e a “alma mater” do MEOL e um Professor que foi meu (nosso) mestre. Um homem dos mais sábios que conheci em toda a minha vida e que inspirou-me a ser o que eu sou hoje. Um Homem, que à semelhança do meu Pai, me ensinou o valor da palavra dada, da honradez, da gratidão e a não ter receio de defender ideias, projetos e convicções próprias.

Em suma: desde os primórdios até ao presente, foram muitos os que, ao longo de décadas, deram e dão história ao museu. Estou certo de que o Museu e a Associação, com esta obra que agora se inicia, podem contar com melhores condições para manter vivo o legado educacional, cultural e histórico dos Irmãos Oliveira Lopes.

Com o arranque desta obra abre-se, inequivocamente, um novo ciclo. E tenho uma certeza, a AAAEOL está preparada para enfrentar os desafios que se avizinham e apta a reinventar-se.
Os antigos alunos da Escola Oliveira Lopes e amigos do MEOL podem continuar a contar connosco! A Câmara Municipal de Ovar pode continuar a contar connosco! Como também diz o poeta “Deus quer, o homem sonha e a obra nasce” e a Câmara Municipal de Ovar está de parabéns por também querer e concretizar esta requalificação, todos aguardamos o nascimento da nova obra e, até lá, a direção da AAAEOL e do MEOL continuará presente e disponível para colaborar neste projeto museológico, educacional e cultural que se destina ao Povo de Válega. Se nós sonhamos, e temos orgulho em o afirmar, é igualmente  mais do que justo salientar que é com o Sr. Presidente Salvador Malheiro que a obra vai nascer.

O MEOL e a Escola Oliveira Lopes têm um futuro risonho e promissor à sua frente e com esta obra, definitivamente, não vão ficar ao abandono. O mesmo sucede em relação a todos nós, Povo Valeguense, porque estamos a respeitar o passado e a honrar a memória dos Irmãos Oliveira Lopes que nos deixaram um legado ímpar e, simultaneamente, estamos a alargar os nossos horizontes. A obra prestes a iniciar-se, como afirma o Sr. Presidente da CMO ,  dignificará o edifício “devolvendo-o à população, nunca descurando o fim para o qual foi construído – a Educação” (a todos os níveis).  Lutámos, acreditámos e conseguimos! Bem hajam todos!

Augusto Pinho
Presidente da AAAEOL e Diretor do MEOL
3 de junho de 2016

Fotos: António Dias

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Leia também

Close