LocalSlider

Arada ajuda criança com doença neurológica rara

Gonçalo Cuco é natural de Santa Maria da Feira mas reside em Arada, em Ovar. Actualmente com 6 anos, nasceu com uma doença neurológica que só foi diagnosticada aos três.

Leonel Cuco, o pai, conta que “já tinha um filho sem qualquer problema e nada fazia prever que isto viesse a acontecer”. Mas aconteceu e a família teve que se confrontar com a realidade do Gonçalo ser portador de Citopatia Mitocondrial, uma doença rara que afecta toda a parte motora.

No passado sábado, no âmbito do Dia de São Martinho, padroeiro da freguesia de Arada, ele foi o mote de uma caminhada denominada “Vamos ajudar o Gonçalo”, com vista a angariar fundos para os tratamentos de que precisa.

A adesão não foi muito significativa, mas Leonel Cuco agradece sempre a presença de todos, “pois do pouco se faz muito” e ele está sempre pronto a acarinhar quem quer ajudar o seu filho. “Neste momento ele já se consegue sentar e já segura a cabeça, mas para conseguir caminhar necessita de fisioterapia intensiva”, descreve Leonel Cuco, adiantando que os tratamentos estão cada vez mais caros, pelo que “é preciso lançar mão de todas as campanhas possíveis”. Mas o Gonçalo é uma “caixinha de surpresas”, descobrindo-se, na consulta de Neuropediatria, que o menino tinha crises de epilepsia.

Desde cedo que o Gonçalo fez a fisioterapia convencional mas, neste momento, para haver avanços no seu estado é necessário realizar uma fisioterapia intensiva – na clínica Kinésio, em Espinho, que, infelizmente, não é comparticipada pelo Estado e é muito dispendiosa, impossível de suportar pela família.

O pai realça, portanto, que “todas as ajudas nesta altura são bem’vindas, quer por meio de recolha de tampinhas de plástico, rolhas de cortiça e caricas, quer através de donativos ou até mesmo eventos solidários, como foi este caso”.

Ainda na semana passada, um carregamento com cerca de 6 toneladas de tampinhas de plástico foi descarregado na empresa Reisalentejo, E.I.M., enquanto que as rolhas de cortiça são entregues na Corticeira Amorim. “As verbas geradas por estes resíduos são depositadas numa conta a que só estas empresas e a clínica têm acesso para fazer o pagamento directo dos tratamentos”, explica o pai.
O Gonçalo Cuco tem uma página na rede social Facebook (https://www.facebook.com/tornapossivel), onde se pode ficar a saber mais sobre o problema, e mais recentemente foi criada uma conta solidária para quem quiser fazer donativos, no BPI, com o IBAN: PT50 0010 0000 5038 4450 0012 9.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta