Política

PS: Vitor Amaral aposta numa campanha pelo “rigor e transparência”

O candidato do PS à Câmara Municipal, Vitor Amaral revelou, no passado sábado, em São Vicente de Pereira, que a sua campanha vai “tentar demonstrar que seremos um executivo de grande rigor e transparência, trabalhando para que o Município seja mais coeso do ponto de vista social e territorial”.

Falando no jantar de apresentação da sua candidatura, o candidato acrescentou que para isso “são precisas as medidas que vão passar por várias áreas, como o turismo, onde temos muitas potencialidades”, sublinhando a necessidade de “dinamizar os centro urbanos, em especial o da sede do Município, dinamizando a sua economia”.

A aposta na área económica “vai tocar, necessariamente, em vários outras áreas”, enumerando “a aposta em actividades permanentes, porque se puxarmos por actividades pontuais, não é isso que vai dinamizar a economia local”. Esta aposta, disse, não será apenas em Ovar, “mas também em Esmoriz, que tem um centro com muita actividade comercial a necessitar de ser impulsionada”.

Vitor Amaral garante que, em caso de eleição, o seu executivo vai trabalhar com “rigor e transparência e já estou a tecer aquilo que acho que é uma das críticas ao actual executivo municipal”. “Basta dizer que descemos no índice de transparência no qual uma das pedras de toque são as administrações directas, são o não fornecimento atempado de documentos à vereação da oposição, e esta falta de transparência é uma crítica importante”, referiu.

O despesismo é outra crítica que aponta ao actual executivo municipal liderado pelo PSD. “Há menos 4 milhões de euros do que há três anos, mas não há grandes obras, pois se disséssemos que tal impulsionou a economia local e a qualidade de vida das pessoas, isso era bom, mas não é assim”.

Segundo o candidato socialista, “obras emblemáticas, como o desassoreamento da Barrinha, a USF de Válega, entre outras, que estão quase a ser inauguradas, são obras que estavam previstas pelo anterior executivo e grande parte delas são pagas pelo Estado Central, pelo que quando estiverem concluídas a redução ainda será maior”.

No jantar de apresentação do último sábado, que contou com a presença do Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade e dos Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, ainda não foram anunciadas as equipas para as juntas, porque o candidato defende que essa apresentação deverá realizar-se em cada uma das freguesias do concelho.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao Topo