Política

PSD: Salvador Malheiro com “esperança e fé” que Rio continue como presidente do partido

O diretor de campanha de Rui Rio, Salvador Malheiro, formalizou hoje o processo de recandidatura do atual presidente à liderança do PSD, manifestando “muita esperança e fé” que este se mantenha no cargo depois das diretas de sábado.

Com Rui Rio em campanha na Madeira, coube ao vice-presidente do PSD formalizar a entrega de assinaturas – “entre 1.700 e 1.800”, acima do limite mínimo de 1.500 – da moção de estratégia e do orçamento de campanha, que disse rondar os 31 mil euros, abaixo dos 40.000 das últimas diretas.

Questionado sobre as previsões para as diretas de sábado, em que Rio terá como opositor o eurodeputado Paulo Rangel, Salvador Malheiro manifestou-se confiante na “energia redobrada” passada “sobretudo pela militância de base”.

“São muitos os que se reveem em Rui Rio, sobretudo como o que está melhor preparado para o cargo de primeiro-ministro”, considerou.

Tal como Rio tem defendido, o vice-presidente do PSD salientou que o voto de qualquer dirigente concelhio ou distrital – que, na sua maioria, têm manifestado apoio a Paulo Rangel – valem tanto como o dos militantes de base.

“Vamos continuar a trabalhar, o sucesso só acontece depois de muito trabalho (…) Tenho muita esperança e fé que Rui Rio possa continuar a ser presidente do partido depois de dia 27”, afirmou.

Ao lado de Salvador Malheiro na entrega do processo aos membros do Conselho de Jurisdição Nacional esteve o também vice-presidente do PSD, David Justino, e as deputadas Lina Lopes e Filipa Roseta.

Questionado sobre a declaração pública de outro ‘vice’, Nuno Morais Sarmento, que já disse que sairia da direção mesmo que Rio ganhasse e preferiu não dizer publicamente quem apoiava, Salvador Malheiro disse que também não o ouviu “declarar uma oposição” ao atual presidente.

“Sentimos uma força muito grande passada sobretudo pela militância de base, o voto do Nuno Morais Sarmento conta como um voto de qualquer outro militante e estou confiante que poderá votar em Rui Rio, nada me diz o contrário”, afirmou.

Sobre uma das linhas de força da moção de estratégia de Rio, divulgada no domingo, de que se deve construir uma “nova maioria sem linhas vermelhas”, assente no diálogo “à esquerda ou à direita”, Salvador Malheiro sublinhou a continuidade da moção “Governar Portugal” em relação a 2018 e 2020, realçando que esta última até teve “a aprovação inequívoca” de Rangel.

“Uma estratégia clara de governar Portugal ao centro e estamos prontos para analisar os resultados que acontecerem a 30 de janeiro, nunca fechando a porta às forças políticas democráticas, e tendo consciência de que Portugal precisa de ser libertado da extrema-esquerda que tem coartado a dinâmica da nossa economia”, afirmou.

Questionado sobre o processo de entrega de lista de deputados, cujo prazo termina em 20 de dezembro, um dia depois do Congresso do PSD, o ‘vice’ do partido reafirmou o que tem dito Rui Rio.

“Todos conhecem os estatutos do PSD, a quem compete fazer listas para a Assembleia da República é à Comissão Política Nacional. Naturalmente que temos esse episódio da escolha do novo presidente, que pode ser o mesmo ou não, o bom senso há de prevalecer”, considerou, acrescentou que a direção até já iniciou esse processo.

Salvador Malheiro agradeceu a todos os “milhares de militantes” que participaram na recolha de assinaturas, apesar de Rui Rio não ter feito a tradicional volta nacional, com o argumento de se focar na oposição ao Governo com vista às legislativas de 30 de janeiro.

Sobre a ausência hoje do presidente do PSD, que se encontra na Madeira, o seu diretor de campanha desvalorizou, recordando que este será o único local em que Rio fará campanha interna por não ter estado na Região nas últimas autárquicas.

“Este é o momento formal da candidatura e não o momento do presidente”, disse.

Mais de 46.000 militantes do PSD vão poder escolher o próximo presidente do partido em eleições diretas no próximo sábado.

Além do atual presidente Rui Rio, é candidato o eurodeputado Paulo Rangel, que formaliza o processo na sede nacional do PSD pelas 15:30.

Também o ex-candidato do partido à Câmara Municipal de Alenquer, Nuno Miguel Henriques, manifestou a intenção de ser candidato, e marcou para as 17:30 uma conferência de imprensa na sede do PSD, embora sem se referir à formalização da candidatura.

O prazo limite para a entrega das candidaturas termina na segunda-feira e têm de ser acompanhadas de 1.500 assinaturas e de uma moção de estratégia.

*Lusa

Artigos relacionados

Deixe uma resposta