Covid-19Saúde

Engenheiro de Maceda “reinventa” ventilador na Irlanda

Trabalho de António Patacho elogiado pelas autoridades de saúde na Irlanda

Num eventual cenário de catástrofe, é possível que um hospital precise operar além da sua capacidade de fornecimento de cuidados. Na actual pandemia do Covid-19, uma imensa preocupação é a escassez de ventiladores, visto que muitos casos de insuficiência respiratória podem ocorrer simultaneamente num mesmo hospital.

Nesse caso, o ideal seria transferir os pacientes para outros centros com mais recursos. No entanto, caso isso não seja possível (ou demore muito), uma solução temporária é a adaptação dos ventiladores para acoplar dois ou quatro pacientes.

Na Irlanda, está a dar que falar o anúncio da Combilift, empresa que usou a sua experiência na fabricação de empilhadores para desenvolver um dispositivo que possibilita a utilização de um ventilador por vários doentes.

Por trás deste trabalho, que está a fazer as manchetes dos jornais irlandeses, está um português, engenheiro electrotécnico, natural de Maceda.

António Patacho ajudou a projectar o Combi-Ventilate para atender aos requisitos de hospitais e profissionais de saúde que enfrentam um aumento esperado na demanda por ventiladores durante a crise do Covid-19.

Foi ele que liderou uma equipa de engenheiros que trabalhou, nas últimas cinco semanas, numa unidade, actualmente em testes de laboratório, com Ger Curley, professor de Anestesia e Cuidados Críticos no Royal College of Surgeon’s no Hospital de Beaumont.

A Combilift diz que o seu dispositivo pode atender até 6 pessoas de uma vez e que é fabricado sem fins lucrativos. “Vários países e cidades estão a lutar para obter ventiladores suficientes e muitos governos e autoridades de saúde estão incentivando os fabricantes a encontrar uma solução, assim como o HSE – Ireland Health Service, o equivalente ao Sewrviço nacional de Saúde português”, explicou António Patacho.

Martin McVicar, co-fundador da Combilift, explicou que o Combi-Ventilate usa tubos e conexões padrão para facilitar a montagem de filtros individuais que evitam a contaminação cruzada. Cada doente possui uma tela dedicada que permite aos profissionais médicos monitorar individualmente todas as informações vitais. Isso inclui valores em tempo real, dados sobre histórico e estatísticas do paciente e configurações de alarme ajustáveis.

Os recursos incluem válvulas de retenção, filtros HEPA, sensores de fluxo e uma válvula de controle automático de fluxo. Quaisquer anormalidades que ocorram são detectadas e acionam apenas o alarme desse paciente específico.

“Fizemos a Combi-Ventilate sob o mesmo espírito que preside a todos os nossos produtos Combilift – que é fazer mais com menos”, disse McVicar, que espera que esta “inovação abra mais oportunidades para a Combilift na área de dispositivos médicos no futuro”.

A inovação foi elogiada por Michael Power, responsável do Programa de Cuidados Críticos irlandês: “O Combi-Ventilate é um acessório seguro e confiável para os ventiladores, para uso em um ambiente de UCI naquele cenário indesejado em que há um ventilador para vários pacientes”. Desde logo porque “remove esse dilema horrível”. O Combi-Ventilate fornece o volume correcto de ar para cada paciente e, na verdade, fornece as quantidades necessárias de ar para cada doente com segurança e fiabilidade”, sublinhando que ficou concluído em apenas cinco semanas.”

#Combilift has drawn on its expertise in #engineering and software design to develop the Combi-Ventilate, a splitter device that turns one #ventilator into multiple #ventilation stations. Designed in collaboration with HSE Ireland to address the requirements of #medical professionals in the current #covid19 emergency. The Combi-Ventilate was developed by a team of mechatronic and software engineers in the past 5 weeks with a unit currently undergoing lab tests in Royal College of Surgeons in Ireland #LiftingInnovation

Publicado por Combilift em Quarta-feira, 29 de abril de 2020

Artigos relacionados

Deixe uma resposta