Opinião

“O novo projeto de melhoria da navegabilidade e estabilidade da Ria”

[themoneytizer id=”16574-1″]

 

Há dez anos neste mesmo local, Porto de Receio do Carregal, realizou-se o evento de lançamento do Programa Polis Ria de Aveiro. Inicialmente e porque o programa Polis (criado na sequência da experiência da Expo-98) deu alguns resultados muito positivos, muitas expectativas se criaram em redor da possível revitalização da Ria, e dos territórios que lhe são diretamente relacionados. No que diz respeito a Ovar, este programa não surtiu o efeito esperado por muitos de nós, utilizadores da Ria. Em primeiro lugar porque a Câmara de então não soube encontrar um desígnio, um conjunto de funcionalidades assentes no património e em novas dinâmicas, para que daqui se desenhassem soluções, projetos, visões de futuro. Há dez anos, ou mais, seria o tempo de ter apostado no desenvolvimento do Turismo, pois os números de turistas que visitavam a Região eram de tal modo diminutos que apenas uma realidade poderia acontecer: o aumento desses números. Desde 2005 que me empenho em lutar por um sítio muito peculiar, o Carregal, Topo Norte da ria de Aveiro, onde se situa o Porto de Recreio, concessionado à Náutica Desportiva Ovarense.

Desde 2005 muitas propostas foram feitas, desenhadas e entregues na Junta de Freguesia, na Câmara Municipal, onde se incluíam, Hotel, Museu Náutico, Jardins da àgua, Estação Fluvial, novas instalações e infraestruturas para a Escola de Vela e Clube de Canoagem, recuperação da Piscina, novos e necessários balneários e sanitários, recuperação da Praia do Areínho e do antigo cais do Carregal… uma verdadeira Porta da Ria, como se designavam os locais com potencial para o desenvolvimento, já no tempo da antiga Associação de Municipios da Ria e do seu Plano de Ordenamento para a Ria de Aveiro. O que foi feito no âmbito do programa Polis para a Ria de Aveiro em Ovar, ficou muito aquém do potencial de desenvolvimento e das necessidades das infraestruturas portuárias existentes no Carregal. Mas sobretudo, ficou muito aquém do património imaterial, associativo, desportivo, que o Clube NADO- Náutica desportiva Ovarense. significa, para Ovar e para a Região.

Esperamos que com este novo projeto de melhoria da navegabilidade e estabilidade da Ria que uma outra dinâmica se inicie, mais esclarecida e eficaz. Se tal acontecer, esta obra lançada no sábado, no Porto de Recreio do Carregal, será apenas o início de uma grande obra, a recuperação da Ria para as diferentes atividades que nela operam, onde vão interagir as pessoas. Neste caso eu apostaria nas escolas. Nas escolas de vela e de canoagem relacionadas ativamente e de forma ligeira com os diferentes agrupamentos de escolas do concelho. Sementes para a cultura náutica e para a economia azul, mas também para uma vida feliz e saudável, numa paisagem atrativa e equilibrada onde o espelho de água da ria continue a impressionar os que nos visitam e a inspirar os que aqui habitam.

A cultura e o desporto náutico, o património criado ao longo de gerações, a paisagem, a utilização criteriosa do espelho de água e das suas margens, estes os desafios até 2050, ano em que Portugal será autosuficiente em energia elétrica e o gasóleo e a gasolina pertencerem ao passado.

Hélder Ventura
Presidente da direcção da NADO
– Náutica Desportiva Ovarense
(in Facebook)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta