SaúdeSlider

A Doença Venosa Crónica – Por Dr. Rui Lobo

A doença venosa crónica, vulgarmente conhecida como varizes das pernas, afeta mais de 1.500 utentes da USF João Semana.

Corresponde a uma anomalia do funcionamento do sistema venoso causada pelo mau funcionamento das válvulas que existem nas veias e consequente limitação do fluxo de sangue no seu interior. Está associada a idade avançada, a história familiar e o género feminino (mas também atinge os homens).

Ainda assim, existem outros fatores que contribuem para agravar a tendência a ter varizes como por exemplo, permanecer muitas horas de pé ou sentado de pernas cruzadas, estilo de vida sedentário, excesso de peso, exposição solar prolongada e banhos quentes. Por ser uma doença crónica, uma vez instalada, dificilmente é revertida e costuma afetar e agravar ao longo da vida.

Além do aparecimento de varizes nas pernas, é comum a sensação de peso e dor nos membros inferiores, sobretudo no final do dia, podendo em alguns casos originar também formigueiro, escurecimento e endurecimento da pele e inchaço dos pés e pernas, sendo estes sintomas mais comum na primavera e verão.

Se não forem tratadas e prevenidas, as varizes tendem a dilatar tornando os sintomas mais difíceis de tolerar, com aparecimento de úlceras venosas, que são difíceis de tratar e potencialmente graves.

Para prevenir o seu surgimento de varizes e úlceras e limitar o seu agravamento, há algumas medidas que podemos adotar:

  • Evitar permanecer muitas horas de pé ou sentado na mesma posição.
  • Aplicar água fria nas zonas afetadas, o que estimula o funcionamento
    venoso e confere um alívio sintomático da sensação de pernas pesadas.
  • Praticar exercício físico regular, estimulando a contração muscular e o
    retorno venoso. Devem ser privilegiadas as caminhadas à beira mar por
    conciliarem atividade física com o efeito de frio local da água do mar.
  • Uso de calçado com saltos de 3 a 4 centímetros em vez de salto alto ou sapato raso.
    Massagem das pernas de baixo para cima, estimulando o retorno venoso.
  • Uso diário de meias elásticas compressivas, que promovem a reabsorção do inchaço, diminui o calibre das veias e aumenta o fluxo de sangue. São fundamentais e devem ser prescritas pelo médico para
    adequar o grau de compressão e tipo de meia (até ao joelho, coxa, collant).
  • Medicação venotrópica, que ao atuar nas veias melhora as queixas de doença venosa crónica.

Lembre-se que todas estas medidas ajudam, mas não curam o problema para sempre. Pode encontrar mais informação aqui.

Porque mais vale prevenir que remediar, proteja as suas pernas e cuide da saúde das duas veias. Na USF João Semana, a sua equipa de saúde está à disposição para o ajudar nesta tarefa, sempre rumo à saúde.

 

 

 

 

 

Rui Lobo – Médico USF João Semana

Artigos relacionados

Deixe uma resposta